Natal(RN), Quinta-Feira, 28 de Agosto de 2014

agosto27

Vinho barato Toro Loco é premiado de novo e volta ao Brasil

Em 2011, o vinho espanhol vendido a 3,59 libras chamado Toro Loco ganhou fama internacional ao conquistar uma medalha de prata no teste cego na tradicional International Wine & Spirits Competition. Agora, em 2014, a safra de 2013 da bebida repetiu o feito e se consagrou como um dos melhores e mais baratos vinhos do planeta.  

A premiação aconteceu no dia 23 de julho e agraciou o tinto Toro Loco Tempranillo 2013. O mérito da vinícola foi unir qualidade e preço, já que seu rótulo ficou à frente de garrafas com preço até 10 vezes maior.

O produto é feito com uvas tempranillo da região de Utiel-Requena, na Espanha, e tem teor alcoólico de 12,5%. O paladar é fresco, com aromas de frutas vermelhas frescas e a coloração é rubi com reflexos violáceos. A harmonização pode ser feita com panquecas de carne, espetinho de carne e legumes, cozido, pernil assado com batadas, penne à carbonara, pizzas, bruschettas e queijos suaves.

Quem não teve oportunidade de comprar uma das milhares de garrafas trazidas para o Brasil, da safra de 2011, agora poderá experimentar a bebida. O Toro Loco está à venda, a partir de agora, no site da importadora Wine, por 25 reais.


Curtir Twittar Promover
publicidade
DNA Center

agosto27

Pagamento dos servidores estaduais começa na sexta-feira

O Governo do Estado anunciou, nesta quarta-feira (27), o calendário de pagamento dos servidores estaduais para o mês de agosto. Segundo a estimativa do governo, 93.464 pessoas receberão o salário dentro do mês, o que representa 91% da folha do Estado.

De acordo com as Secretarias de Estado do Planejamento e das Finanças (Seplan) e da Administração e dos Recursos Humanos (Searh), na sexta-feira (29), ao meio dia, será creditado o pagamento de todos os servidores da Segurança, Saúde e Educação (inclusive UERN), bem como todos os servidores do Detran, Idema, DEI, Jucern e IPEM, independente do valor do salário, que representam um total de 60.055 servidores.

No mesmo horário da sexta-feira, também será pago os salários dos servidores ativos e inativos das demais áreas que ganham até R$ 2 mil líquidos. O que somam 33.409 servidores.

Já em 10 de setembro ao meio-dia, serão creditados os salários dos servidores ativos e inativos que recebem acima de R$ 2 mil líquidos. No total, 9.377 servidores estão nesta situação. 


Curtir Twittar Promover
publicidade
escola_escritorio

agosto27

Perda de água chega a quase 40% nas maiores cidades do Brasil

A cada 10 litros de água tratada nas 100 maiores cidades do país, 3,9 litros (39,4%) se perdem em vazamentos, ligações clandestinas e outras irregularidades. O índice de perda chega a 70,4% em Porto Velho e 73,91% em Macapá. Os números são do Ranking do Saneamento, divulgado hoje (27) pelo Instituto Trata Brasil, com base em dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento de 2012. 

O estudo considerou a perda no faturamento, ou seja, a diferença entre a água produzida e a efetivamente cobrada dos clientes. De acordo com o instituto, o indicador de referência para a perda de água por faturamento é 15%. Dos 100 municípios da lista, quatro têm nível de perda menor ou igual ao patamar. Em 11 deles, as perdas superam 60% da água produzida.

De acordo com o presidente executivo da entidade, Édison Carlos, as perdas se refletem diretamente na capacidade de investimento das empresas e podem comprometer a expansão e qualidade dos serviços. “A perda é um reflexo da gestão da empresa. Qualquer autoridade que pensa em saneamento como um negócio, teria que atacar as perdas. Quando a empresa tem perdas muito altas, não consegue nem custear o próprio serviço”, avaliou. “Qualquer litro de água recuperado é um litro a mais que ele vai receber”, acrescentou.

Apesar dos registros, os municípios fazem pouco para reduzir as perdas de água por faturamento, de acordo com o estudo. Entre 2011 e 2012, mais da metade das cidades pesquisadas (51) não reduziu em nada as perdas ou até piorou os resultados no período. Segundo o Trata Brasil, os números sugerem que “diminuir perdas de água não vem sendo uma prioridade entre os municípios brasileiros”.

Apenas 10% dos municípios analisados na pesquisa registraram melhoria de mais de 10% na redução de perdas de água. Em média, de acordo com o levantamento, a melhora nas perdas dos municípios ficou em 0,05% na comparação entre 2011 e 2012.

As soluções, segundo Carlos, variam de acordo com o tamanho e as características de cada município. Em cidades com índices de perda muito elevados, por exemplo, a instalação de equipamentos como controladores de vazão e pressão tem reflexos rápidos na perda por vazamentos.

Em relação ao saneamento, o ranking mostra que, nos 100 maiores municípios do país, 92,2% da população têm acesso à água tratada. Em 22 das cidades, o atendimento chega a 100%, atingindo a universalização do serviço.

No entanto, os dados de coleta e tratamento de esgoto são bem inferiores. A média de população atendida por coleta de esgoto nas cidades avaliadas é 62,46%. Os números do tratamento são ainda menores: em média, 41,32% do esgoto do grupo de maiores cidades do país é tratado. Entre as 10 cidades com piores índices no quesito, três são capitais: Belém, Cuiabá e Porto Velho, sendo que as duas últimas têm tratamento de esgoto nulo.

Considerando acesso à água, coleta e tratamento de esgoto e o índice de perdas, o estudo fez um ranking com os 20 municípios com melhores e os 20 com piores resultados em saneamento. Além disso, o instituto traçou uma perspectiva de universalização dos serviços nos próximos 20 anos, como quer o governo federal, com base na evolução dos indicadores entre 2008 e 2012.

Entre as 20 cidades com melhores resultados, todas atingiram ou atingirão a meta nos próximos anos. No entanto, nos 20 municípios com piores notas, entre eles seis capitais, apenas um deve atingir a universalização se o ritmo de melhoria se mantiver. “É um dado preocupante, na medida em que a gente tem uma meta clara para duas décadas”, avalou Édison Carlos.

De acordo com o presidente do Trata Brasil, a situação só será revertida se as políticas de saneamento entrarem na agenda de prioridades dos gestores públicos e a população pressionar por avanços no setor. “Tem que ser prioridade, principalmente dos prefeitos, mesmo as cidades em que os serviços são operados por empresas estaduais. Isso não tira a responsabilidade dos prefeitos, que têm que brigar por metas mais rápidas e mais amplas. É preciso foco”, avaliou. “O eleitor, o cidadão, tem que cobrar. É investimento, não é milagre”, comparou. (Agência Brasil)


Curtir Twittar Promover
publicidade
Pet Stop

agosto27

Brasil envia remédios e material para ajudar no controle do ebola em Serra Leoa

Em resposta a um pedido de cooperação internacional da Organização Mundial da Saúde, o Ministério da Saúde enviou hoje (27) cinco kits com medicamentos e insumos para ajudar o governo de Serra Leoa no controle da epidemia do vírus ebola. Cada kit pode atender a cerca de 500 pessoas por três meses.

Ao todo são 1,2 tonelada de produtos, com 48 itens, sendo 30 tipos de medicamentos, como antibióticos e anti-inflamatórios, e 18 insumos para primeiros socorros, como luvas e máscaras.

O governo brasileiro começou a enviar ajuda aos países com surto de ebola em junho, com a doação de quatro kits para a Guiné.

Está previsto o envio de mais cinco kits para a Libéria. 


Curtir Twittar Promover
publicidade
Agronorte

agosto27

Faturamento do setor de máquinas e equipamentos cai 20,3%

O faturamento do setor de máquinas e equipamentos caiu 20,3% em julho na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Segundo dados divulgados hoje (27) pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), as vendas do setor totalizaram R$ 5,746 bilhões no mês passado, 6,1% menos do que em junho.

No acumulado de janeiro a julho, o faturamento das indústrias de bens de capital ficou em R$ 40,68 bilhões, 14,5% menor do que o resultado obtido no mesmo período de 2013. Nesse período, as vendas para o mercado interno caíram 31,2% em relação aos sete primeiros meses do ano passado.

As exportações, no entanto, tiveram, em julho, crescimento de 20,6% em relação a junho, totalizando US$ 1,23 bilhão. Em comparação com o mesmo mês de 2013, o aumento chegou a 10,3%. No acumulado do ano, as vendas para o exterior ficaram em US$ 7,85 bilhões, expansão de 18,2% sobre o mesmo período do ano passado.

O quadro de pessoal das indústrias de máquinas e equipamentos teve retração de 0,7% em julho em relação a junho, com 250,2 mil pessoas trabalhando no setor. No acumulado de janeiro a julho, a redução é de 2,4%. 


Curtir Twittar Promover

agosto27

60% voltam a ter nome sujo menos de 1 ano após pagar dívidas

Pesquisa divulgada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) mostra que 6 a cada 10 consumidores (59,2%) voltam a ter o nome sujo menos de um ano após deixarem de constar no cadastro de inadimplência.  

De acordo com a pesquisa, 35,3% dos consumidores que limparam seu nome e saíram da base de inadimplentes voltaram a ter uma dívida vencida e não paga no banco da Boa Vista SCPC em menos de três meses.

O levantamento, realizado em âmbito nacional entre junho de 2013 a junho de 2014, também mostra que a reincidência da inadimplência aumentou.

Enquanto em junho do ano passado a reincidência em três meses era de 33,2% e em 12 meses era de 57,2%, em junho deste ano, a reincidência passou a 35,3% e 59,2% em três e 12 meses, respectivamente.

Segundo o diretor de sustentabilidade da Boa Vista SCPC, Fernando Cosenza, além da falta de planejamento financeiro, a inadimplência tem se agravado também por influência de fatores macroeconômicos.

“Nesse momento, a taxa de reincidência está mais associada ao aperto dos orçamentos, pressionados pela inflação, pela alta dos juros e pelo menor crescimento da renda real”, afirmou Cosenza em nota enviada por meio da assessoria de imprensa da Boa Vista SCPC.

Cosenza acrescenta que se antes o controle financeiro já era importante, agora é fundamental, uma vez que os salários estão crescendo em menor velocidade com o desaquecimento da economia, a inflação está mais acelerada e os juros estão mais elevados.

Ele afirma ainda que, em muitos casos, o retorno ao cadastro de inadimplência ocorre pela falta de planejamento na renegociação da dívida: na ânsia de limpar o nome, consumidores refinanciam a dívida e se comprometem com parcelas que não cabem no bolso.

A pesquisa analisou as exclusões e inclusões na base de dados do SCPC e considerou apenas os consumidores que regularizaram todas as suas pendências.

De acordo com a Boa Vista Serviços, cerca de 2 milhões de clientes deixam o cadastro de inadimplência mensalmente. Como o estudo avaliou a reincidência desses consumidores, a base da pesquisa foram exatamente esses 2 milhões de clientes.

O Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) é um dos principais cadastros de inadimplência do país e pertence à Boa Vista Serviços.

Além dele, os outros principais cadastros são: o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), que é o sistema de informações das Câmaras de Dirigentes Lojistas (CDLs) e o Serasa, que pertencem à Serasa Experian e a Boa Vista Serviços.

Se o prazo de vencimento de uma conta expirar, no dia seguinte a empresa que prestou o serviço já pode entrar em contato com os órgãos de proteção ao crédito para informar que o consumidor possui um débito em atraso.

Cabe então a esses órgãos enviar uma carta de notificação de débito ao cliente para informá-lo sobre a pendência.

O consumidor tem um prazo de 10 dias, contados a partir da data do envio da notificação de débito, para pagar a conta.

Apenas depois desse prazo, conforme prevê o Código de Defesa do Consumidor (CDC), ele poderá ser incluído nos cadastros de inadimplência, que ficam disponíveis para consulta pública.

Essa inclusão é a chamada negativação do consumidor e o que torna o seu nome sujo, como se diz popularmente. (Exame)


Curtir Twittar Promover

agosto27

Débito não autorizado é a principal queixa de clientes de bancos e financeiras

Os débitos em conta não autorizados foram as principais reclamações de clientes bancários feitas ao Banco Central (BC), em julho. No total, foram registradas 351 reclamações desse tipo, com indício de descumprimento de lei ou regulamentação cuja competência de supervisão seja do BC. Dessas queixas, 93 foram registradas contra o Santander, 79 contra a Caixa Econômica Federal e 69 contra o Banco do Brasil.

Em segundo lugar no ranking das reclamações mais frequentes estão as irregularidades referentes à integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços, com 212 casos. Em seguida, vem a cobrança irregular de tarifa por serviços não contratados (161).

A lista, divulgada hoje (27) pelo BC, ganhou novas informações, visualização mais moderna e mudança na metodologia. Até junho, as instituições estavam divididas entre as que tinham mais de 1 milhão de clientes e as que tinham menos. Agora a divisão passou a ser feita entre as entidades com mais de 2 milhões de clientes. Também foram incluídas as financeiras no levantamento.

O BC também ampliou a base de clientes de cada instituição financeira. Até junho, apenas os clientes com com depósitos (contas correntes e poupança) cobertos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) eram contabilizados. Com a modificação, outras operações de depósito foram incluídas e os clientes que tomam crédito, mas não necessariamente têm conta ou investimento no banco, também passaram a compor a base de clientes.

Entre as instituições com mais de 2 milhões de clientes, em julho, o BMG liderou a lista com 106 reclamações consideradas procedentes pelo BC. Para fazer o ranking, as reclamações são divididas pelo número de clientes da instituição financeira que originou a demanda e multiplicadas por 1 milhão. Assim, é gerado o índice, que representa o número de reclamações de cada instituição financeira para cada grupo de 1 milhão de clientes. No caso do BMG, o índice ficou em 40,3.

Em segundo lugar no levantamento de julho, está o Santander, com índice de 13,61 e 419 reclamações procedentes, e em seguida, Banrisul, com índice de 11,87 e 45 reclamações.

No caso de bancos e financeiras com menos de 2 milhões de clientes, o BIC liderou a lista com índice de 199,49 e 34 reclamações procedentes. Em segundo lugar está J.Malucelli, com índice em 68,09 e 23 reclamações. Em terceiro lugar ficou o Banco Fibra com índice de 62,1 e 14 reclamações. (Agência Brasil)


Curtir Twittar Promover

agosto27

6 desafios para o setor agrícola brasileiro

Durante painel no 4º Congresso Brasileiro de Fertilizantes, organizado pela Associação Nacional para Difusão de Adubos, Anderson Galvão, CEO da Céleres, apontou os desafios para a agricultura brasileira nos próximos anos. Segundo ele, o consumo está aumentando e o país precisa se preparar para suprir esse espaço e continuar forte no setor agrícola. “O mundo não é plano, assim como as estratégias para capturar valor com a venda de alimentos”.

Para ele, estar no segmento é muito confortável quando se pensa em futuro de longo prazo, mas o “agricultor tende a orbitar entre euforia e depressão dependendo do andar da carruagem”. Ele acredita que o setor terá oscilações no curto prazo. “Deve começar em 2014 e durar cerca de um ano, um ano e meio”.

Na palestra, ele ressaltou a importância do papel da biotecnologia no aumento da produtividade, mas afirmou que é preciso olhar todos os segmentos da cadeia produtiva como um conjunto. “A biotecnologia não faz nada sozinha, não adianta compra híbrido e plantar em solo não corrigido”.

Veja os desafios colocados por Anderson Galvão:

1) Capital humano. Segundo o CEO da Céleres, mão de obra de qualidade é um dos grandes desafios do setor, porém ele “não tem visto preocupação com isso”. A migração da população rural para cidade foi apontada como um dos fatores que diminuiu a disponibilidade de trabalhadores no campo. Outro ponto é a dificuldade em achar funcionários com bom grau de educação. “Como vai operar máquina sofisticada se não tem a formação adequada?”, questionou.

Ele ainda pontuou sobre a “bomba relógio” do campo: o crack. “É uma situação grave, tem muita gente usando. Antes o problema era a pinga, hoje é o crack”.

2) Concorrência. “A gente tende a acreditar que só o Brasil tem clima, só o Brasil tem terra, mas não é verdade”, disse Galvão. “O consumo global cresceu mais que a produtividade. A questão é: nós vamos ocupar esse espaço?”

Para ele, a competitividade é volátil e se o país não “fizer o dever de casa”, outras nações sem tradição no setor passarão a concorrer com o Brasil. Ele cita como exemplo o caso do Vietnã com o café e a Malásia e Indonésia com a borracha.

“Acho que África vai sim ser produtor agrícola, mas custa caro produzir lá”. Segundo ele, se os valores da soja, por exemplo, subirem, países africanos poderão ter uma produção competitiva. “Se o preço da soja volta a 16, 18 dólares por bushel, vocês vão ver soja saindo do Camboja, Nigéria, Moçambique e Angola, por exemplo”.

3) Demanda. “A demanda de alimento é inelástica, as crises não têm quase nenhum efeito sobre ela”, afirmou o palestrante. Segundo ele, a maior retração em 40 anos na procura de alimentos foi de 3,1% e porque no ano houve quebra de safra. Para ele, a médio prazo a demanda sempre existe e os dilemas são de curto período. 

Ele frisou que muitas indústrias perderam ou deixaram de ganhar dinheiro não por capacidade ociosa, mas sim por não conseguirem suprir a busca pelo produto. Segundo ele, um dos desafios é conseguir corresponder a esse crescimento constante da demanda, pois “estamos com o acelerador no máximo já”.

4) Terras. Durante a palestra, o consultor apresentou dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e a Agricultura (FAO) que mostram que a exploração de terras agrícolas no mundo estagnou em cerca de 1,4 bilhão de hectares. Para ele, as áreas nobres para agricultura já estão sendo utilizadas e o momento é de “platô de produtividade”, no qual a produção não sobe mais, além disso, “os pacotes tecnológicos se esgotaram”. De acordo com ele, é preciso achar uma forma de aumentar a produtividade, mesmo se a disponibilidade de terras não crescer.

5) Clima. O CEO da Céleres pontua que o efeito do clima na agricultura é algo com que o setor conviverá sempre. “A vantagem é que hoje temos ferramentas para ajudar. As tecnologias dão condições de antecipar ou mitigar riscos climáticos”. O exemplo apontado por ele é uma biotecnologia com tolerância à seca que já está disponível nos Estados Unidos e deve chegar ao Brasil em breve.

6) Logística. Galvão apontou que os custos de deslocamento no país são altos, principalmente em relação aos Estados Unidos, importante concorrente no setor. “A logística judia da soja rumo ao porto e do fertilizante do porto para o sertão”.

Fonte: Globo Rural


Curtir Twittar Promover

agosto27

Cabrito no rolete na Fazenda Alto do Cruzeiro, em Chã Grande (PE)

 


Curtir Twittar Promover

agosto27

Leilão Caroatá e Concurso Marrã do Futuro acontece no dia 30, em Gravatá

 


Curtir Twittar Promover
publicidade
DNA Center

agosto27

Falta de informação pode ser causa de sequelas em pacientes hemofílicos

Cerca de dois anos depois de o Ministério da Saúde começar a fornecer fatores VIII e IX suficientes para o tratamento que evita sangramentos em hemofílicos, pacientes continuam recebendo a medicação só depois que sangram, diz Tânia Pietrobelli, presidente da Federação Brasileira de Hemofilia (FBH).

Para a professora de hematologia da Universidade Estadual de Campinas, Margareth Ozelo, há resistência de muitos pacientes em aderir ao tratamento, que é aplicado por injeção pelo menos duas vezes por semana. Ela destaca que com informação e educação, o tratamento preventivo está sendo aos poucos disseminado.

“Às vezes, falta estrutura no serviço para insistir no tratamento preventivo e vencer a resistência dos pacientes. Muitos se tratam depois do sangramento e não voltam ao centro para continuar a prevenção. Outros, principalmente mães de crianças hemofílicas, acham traumático o tratamento com injeções”, lembra a hematologista. Ela considera, porém, que está crescendo a adesão ao tratamento preventivo.

Para Margareth, como a disponibilidade do medicamento é relativamente recente, talvez ainda haja, principalmente em pequenos centros, a necessidade de mais engajamento dos profissionais. “Em alguns locais, o setor de hemofilia precisa estar melhor estruturado, principalmente em serviços menores, você não encontra experiência”.

A especialista explica que a hemofilia é uma doença genética ou congênita causada pela deficiência de um dos fatores de coagulação do sangue. No caso da hemofilia tipo A, a deficiência é no fator VIII, no caso da tipo B, é o fator IX. Apesar de homens e mulheres poderem ser portadores do gene que provoca a doença, normalmente apenas os homens manifestam os sintomas. No Brasil vivem cerca de 20 mil pessoas com hemofilia.

O tratamento profilático é a aplicação contínua dos fatores VIII ou IX, dependendo do tipo de hemofilia, que evita os sangramentos típicos da doença. Os sangramentos podem ser externos, quando ocorrem cortes na pele, ou internos - dentro das articulações, dos músculos ou em outras partes do corpo.

Nas pessoas que têm grau leve de hemofilia, os sangramentos costumam ocorrer com simples pancadas, mas em pessoas com hemofilia grave eles podem ser espontâneos, nas articulações ou nos músculos.

Segundo a FBH, as articulações mais afetadas são os joelhos, cotovelos e tornozelos. “O maior problema é que os sangramentos reduzem a qualidade de vida, levam a sequelas e dores permanentes, já que há dificuldades na coagulação. O sangramento destrói a cartilagem e o osso e pode levar à deficiência física permanente desde a mais tenra idade”, explica Tânia.

Além disso, ela lembra que a falta de tratamento preventivo traz custos para os cofres públicos. “Essa pessoa não vai estudar, não vai trabalhar e vai fazer cirurgias de grande porte se não fizer a prevenção”, disse. O uso contínuo dos fatores VIII e IX, conforme recomendação médica, evita os sangramentos e, consequentemente, as sequelas.

O mineiro Roberto Motta, de 53 anos, membro da Associação de Hemofílicos de Minas Gerais, já passou por uma cirurgia no quadril e vai passar por outra no joelho em decorrência dos sangramentos. “Antigamente, não tinha o tratamento preventivo. Era esperar sangrar para tratar”. Ele conta que se formou cabeleireiro, mas logo se aposentou porque teve os movimentos comprometidos.

A presidente da FBH diz que até 2010 o Brasil só tinha um tratamento de sobrevivência, ou seja, os pacientes só recebiam a medicação depois que sangravam e que hoje há uma busca pela qualidade de vida dessas pessoas. Este ano, a FBH e o Ministério da Saúde foram premiados pela Federação Mundial de Hemofilia pela disponibilização do medicamento para prevenção dos sangramentos.

Segundo o ministério, são disponibilizados para os estados e municípios 3,9 unidades internacionais (UI) de fator VIII per capita, enquanto a indicação da Organização Mundial da Saúde e da Federação Mundial de Hemofilia é 3 unidades per capita. (Agência Brasil)


Curtir Twittar Promover
publicidade
escola_escritorio

agosto26

Dólar cai e fecha a R$ 2,26

Esta terça-feira, 26, foi de queda para o dólar ante o real, resultado de uma realização de lucros decorrente da alta registrada nas quatro últimas sessões, de 1,55%. 

O dólar fechou em queda de 0,87%, a R$ 2,2660. Na máxima, logo após a abertura, subiu 0,04%, a R$ 2,2870, e, na mínima, caiu 0,96%, a R$ 2,2640, na reta final dos negócios.


Curtir Twittar Promover
publicidade
Pet Stop

agosto26

Ibope: Dilma tem 34% das intenções de voto; Marina, 29% e Aécio, 19%

Pesquisa Ibope divulgada hoje (26) mostra a candidata Dilma Rousseff (PT) lidera com 34% das intenções de voto para presidente da República. A candidata pelo PSB, Marina Silva, aparece com 29% das intenções e Aécio Neves (PSDB) tem 19% das intenções. Os dados foram divulgados pela Rede Globo e pelo jornal O Estado de S. Paulo, que encomendaram a pesquisa.

A simulação de um provável segundo turno entre Marina e Dilma mostra um cenário favorável à ex-senadora. A candidata do PSB apresenta 45% das preferências, contra 36% da petista.

Já contra Aécio, a votação seria mais favorável à atual presidente. Dilma tem 41% das intenções de voto, contra 35% para o tucano.

O nível de confiança da pesquisa é 95%, com margem de erro de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. O Ibope fez 2.506 entrevistas, entre os dias 23 e 25 de agosto, em 175 municípios de todas as regiões do Brasil. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR428/2014.


Curtir Twittar Promover
publicidade
Agronorte

agosto26

Juros bancários de pessoa física é maior do Nordeste

Segundo números divulgados pelo Banco Central nesta terça-feira (26), a taxa média de juros cobrada das famílias pelos bancos subiu pelo sétimo mês seguido em julho, para 43,2% ao ano. E atingiu, novamente, o maior patamar desde que o Banco Central começou a divulgar esses dados, em março de 2011. Em junho, a taxa estava em 43% ao ano.

Desde março deste ano, quando a autoridade monetária deu as primeiras sinalizações que poderia interromper o processo de alta dos juros básicos da economia, o que já gerou reflexo na curva de juros (usada como base para o quanto os bancos pagam pelos recursos), a taxa de captação dos bancos, que estava em 12,5% ao ano, recuou para 11,5% ao ano – patamar de julho. Ou seja, uma queda de um ponto percentual.

Mesmo assim, as instituições financeiras continuaram subindo os juros cobrados das pessoas físicas e das empresas. Em março deste ano, a taxa cobrada das pessoas físicas, nas operações com recursos livres, estava em 41,6% ao ano, passando para 43,2% ao ano em julho deste ano. Um aumento de 1,6 ponto percentual. 


Curtir Twittar Promover

agosto26

Serasa Experian registra aumento de fraudes contra o consumidor

A cada 14,8 segundos no país, em julho, um consumidor foi vítima de tentativa de fraude após ter documentos roubados por golpistas, que usam os dados pessoais para fazer negócios ou obter crédito com a intenção de não pagar as dívidas. Segundo o Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraude – Consumidor, foram registradas 180.919 tentativas, número 19,9% acima do constatado em junho deste ano.

No acumulado de janeiro a julho, no entanto, houve recuo de 5,5%. As tentativas de fraudes também foram 15,8% menores do que em julho do ano passado. Mais de um terço delas se deram no setor de telefonia (35,5%), com 64.167 registros, que representam queda sobre julho do ano passado (49,7%).

Em serviços (construtoras, imobiliárias, seguradoras e serviços em geral, como salões de beleza, pacotes turísticos etc), ocorreram 56.752 tentativas de fraudes ou 31,4% do total, proporção superior à registrada no mesmo mês de 2013 (26,2%). Na terceira posição está o setor bancário, com 43.348 registros ou 24% do total, ante 16,7% em julho de 2013.

Na sequência, aparece o segmento varejo, com 13.445 tentativas de fraude ou 7,4% do total de casos, ante 6,1% do verificado em julho do ano passado. Nos demais segmentos não detalhados pela Serasa Experian ocorreram 1,8% de tentativas.

A empresa alerta ser “comum que as pessoas forneçam dados pessoais em cadastros na internet sem verificar a idoneidade e a segurança dos sites. Além disso, os golpistas costumam comprar telefone para ter um endereço e comprovar residência, por meio de correspondência, e assim abrir contas em bancos para pegar talões de cheque, pedir cartões de crédito e fazer empréstimos em nome de outras pessoas”.

Entre as principais tentativas estão a emissão de cartões de crédito em que o criminoso usa uma identificação falsa ou roubada e toda a dívida gerada fica para o titular do documento; o financiamento de eletrônicos, em que o golpista compra um produto (TV, aparelho de som, celular etc.), deixando a dívida para a vítima; a compra de celulares; abertura de contas em um banco para ter acesso a cartões, talões de cheque e empréstimos pré-aprovados; compra de automóveis e abertura de empresas.

Diariamente, a Serasa Experian responde por 6 milhões de consultas, auxiliando 500 mil empresas de diversos portes e segmentos a tomar a melhor decisão em qualquer etapa de negócio, desde a prospecção até a recuperação. Como medida de precaução, a companhia adverte que antes de fechar uma operação de venda a prazo, as empresas devem tomar alguns cuidados como a checagem de documentos originais (RG, CPF, carteira de habilitação); a verificação de inconsistências nos documentos apresentados e a confirmação de informações dadas pelo cliente. (Agência Brasil)


Curtir Twittar Promover

agosto26

Infraero inicia mudança de identidade sonora nos aeroportos

Os avisos sonoros e mensagens nos aeroportos administrados pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) vão mudar. O primeiro a adotar a mudança é o Aeroporto Santos Dumont, inciada ontem (25). A novidade prevê uma maneira mais informal de comunicação e uma nova locutora com o intuito de se aproximar dos passageiros.

A nova música mistura arranjos com diversos instrumentos, como violoncelo, berimbau, cuíca, flautas e acordeom, e será reproduzida em breve nos terminais do país e no sistema de atendimento ao cliente. As chamadas em espera, sites, eventos e mensagens nos aeroportos também terão um logotipo sonoro. A voz ouvida nos alto-falantes também será outra. Durante décadas, as mensagens eram anunciadas pela locutora Iris Lettieri, que agora será substituída por Ana Paula Aquino.

A Infraero contratou uma agência especializada para criar a identidade sonora da empresa, levando em conta a opinião de quem trabalha nos aeroportos.

A Agência Brasil perguntou a opinião dos usuários e funcionários do aeroporto sobre a mudança. A aprendiz da TAM Bruna Araújo, 23 anos, classificou a música de engraçada. "Não tem cara de aeroporto. A outra voz era mais bonita, tinha mais glamour. Eles quiseram deixar o som mais descontraído, mas ficou demais”.

A vendedora de um quiosque no Santos Dumont, Fabiana Oliveira, 20 anos, gostou dos novos avisos sonoros. "Acho bobeira aquela formalidade de antes, era muito sem graça”.

Para o engenheiro Rodrigo Coimbra, 34 anos, disse que a mudança é desnecessária. “O som até que ficou agradável, mas acho um gasto inútil de dinheiro do governo. Os aeroportos deveriam ter outras prioridades”.

De acordo com a Infraero, a mudança foi feita com o objetivo de fortalecer o relacionamento com os clientes, de forma mais afetiva e simpática. “As mudanças na operação dos aeroportos do Brasil exigem da Infraero uma postura diferente em relação ao passageiro, de forma que a empresa procure cativar o seu cliente”, diz o presidente da estatal, Gustavo do Vale. A Infraero informou que a mudança chegará aos demais aeroportos de forma gradativa. (Agência Brasil)


Curtir Twittar Promover

agosto26

Ônibus e comerciantes voltam a ser alvos de bandidos em Natal e na Grande Natal

A noite de ontem e a madrugada desta terça-feira, dia 26, foram movimentadas na Grande Natal. Na zona Norte, a Polícia Civil registrou duas tentativas de assaltos. Dois bandidos foram presos e dois adolescentes acabaram apreendidos, além de um terceiro que morreu após troca de tiros com policiais. Na zona Sul, na zona Leste e em São José de Mipibu mais assaltos a ônibus. A Delegacia Especializada em Homícidios (Dehom) também atendeu três tentativas de assassinatos e uma consumada, em Ceará-Mirim.

Por volta das 20h30, dois jovens e um adolescente assaltaram clientes de uma lotérica na avenida Tomaz Landim, na zona Norte da capital. A Polícia Militar foi acionada e uma guarnição do Batalhão de Choque (BPChoque) perseguiu o trio. Houve troca de tiros e Luan Cornélio do Nascimento, de 18 anos, acabou alvejado. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Kalvin Cleiton de Paiva, de 21 anos, foi preso e o menor de idade apreendido. Os policiais do BPChoque encaminharam a dupla para a Delegacia de Plantão zona Norte.

No conjunto Soledade II, na manhã desta terça-feira, 26, por volta das 5h30, uma mulher chegava em casa quando foi supreendida por um homem e um adolescente. Eles roubaram os pertencens pessoais da vítima e fugiram. João Victor Gonçalves de Brito, de 19 anos, foi preso e o menor de idade apreendido. Eles serão encaminhados ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pirangi, na zona Sul da capital, e ao Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Infrator (Ciad-Natal), respectivamente.

Um ônibus foi assaltado na noite de ontem, no bairro de Petrópolis, na zona Leste. O suspeito é um adolescente de 16 anos, que foi apreendido e confessou o ato criminoso na delegacia. Os passageiros de um outro transporte público, na vila de Ponta Negra, na zona sul, também foram rendidos e roubados. Neste caso, a polícia não encontrou os bandidos.  

Em São José de Mipibu, um transporte alternativo foi alvo de assaltantes. O veículo estava parado na marginal da BR-101 quando suspeitos armados invadiram o carro e recolheram os pertences pessoais dos passageiros. Uma equipe da Polícia Militar passava pelo local quando percebeu a ação, houve troca de tiros e um menor de idade acabou apreendido. Após depoimento, o jovem indicou a localização do comparsa, que também foi detido. Ele estava com um revólver calibre 38.

O homicídio registrado pela Dehom aconteceu em Ceará-Mirim, na travessa Ovidio Carrilho, no bairro Cinco Bocas. Eribergue Silva de Lima, de 19 anos, foi morto a tiros durante a noite de ontem. A Polícia ainda não tem pistas sobre a motivação do crime. Segundo a Especializada, os policiais também atenderam três tentativas de assassinatos, na zona Norte de Natal e em outro ponto de Ceará-Mirim. Ninguém foi preso. (TN Online)


Curtir Twittar Promover

agosto26

Universitários desenvolvem esmalte de unha que pode detectar drogas em bebidas

Quatro estudantes da Universidade da Carolina do Norte, nos EUA, estão desenvolvendo um esmalte de unha capaz de revelar a presença de drogas, como Rohypnol e GHB, que costumam ser utilizadas por estupradores para adulterar bebidas de potenciais vítimas. Ao entrar em contato com essas substâncias, o esmalte alteraria a sua cor, alertando sobre a tentativa de ataque.

Batizada de Unvercober colors, a empresa criada pelos universitários tem como objetivo desenvolver tecnologias que permitam o empoderamento das mulheres na sua própria proteção contra criminosos.

“Para o nosso primeiro produto, estamos desenvolvendo um esmalte de unha que muda de cor quando em contato com drogas usadas em estupros, como a Rohypnol, Xanax, e GHB. Com o nosso esmalte, qualquer mulher poderá discretamente garantir a sua própria segurança ao simplesmente mergulhar o seu dedo na sua bebida. Se o esmalte mudar de cor, ela saberá que há algo errado”, afirma a empresa em sua página no Facebook.

Tecnologias que procuram garantir que bebidas estão livres de substâncias que podem ser usadas para crimes, como porta-copos, ou mesmo copos, não são novidade. No entanto, caso vingue, a iniciativa do esmalte permitiria uma ferramenta mais discreta para aqueles que não querem deixar transparecer que suspeitam que a sua bebida tenha sido adulterada.

Apesar de promissor, o produto ainda não tem data para chegar ao mercado. 


Curtir Twittar Promover

agosto26

WhatsApp alcança 600 milhões de usuários mensais ativos

Adquirido pelo Facebook em fevereiro, o WhatsApp, o mais popular aplicativo de troca de mensagens por smartphone do momento, chegou a 600 milhões de usuários mensais ativos.

O anúncio foi feito pelo diretor-executivo do app, Jan Koum, em seu perfil no Twitter. O número é 100 milhões de usuários maior que o do último levantamento, divulgado em abril.

“Agora servindo 600 milhões de usuários ativos mensalmente... Sim, ativos e registrados são muitos números diferentes”, publicou Koum.

Líder do segmento de apps de troca de mensagem, o WhatsApp é seguido pelo WeChat, com 438 milhões de usuários ativos, o Line, com 235 milhões.

A aquisição da empresa pelo Facebook, anunciada pelo valor de US$ 16 bilhões, deve ser concluída até o final do ano, após a aprovação dos órgãos reguladores na Europa — nos EUA, a operação já foi aprovada.


Curtir Twittar Promover
publicidade
DNA Center

agosto25

O pessimismo no agronegócio

Por *Eduardo Daher

O pessimismo chegou ao agronegócio brasileiro. Foi esse o sinal de alerta dado pelo Índice de Confiança do Agronegócio, apresentado essa semana pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). A forte queda de 10,9 pontos no segundo trimestre de 2014 em relação ao trimestre anterior, passando de 102,7 para 91,8 pontos, é a comprovação daquilo que muitos já suspeitavam e temiam: a onda pessimista, que atinge praticamente todos os setores da economia, chegou ao único setor que ainda resistia e permanecia neutro/otimista, graças aos excelentes resultados de produção e exportação que contribuem até hoje para a manutenção de nossa balança comercial favorável.

O índice apresentou variação negativa em todos os elos da cadeia, do pré-porteira (-7,8 pontos) ao pós-porteira (-19,8 pontos), deixando claro o descontentamento do setor com a situação atual da economia brasileira e a diminuição do otimismo em relação à situação futura. Mesmo a “confiança do produtor agrícola”, que geralmente se mantém elevada, caiu 6 pontos na comparação com o 1º trimestre de 2014, em grande parte pela preocupação com os custos de produção.

O momento ruim da economia brasileira também reflete na sua capacidade de fazer frente a outros países concorrentes. Nos últimos quatro anos, o Brasil foi o que mais perdeu posições no ranking mundial de competitividade, caindo 38º lugar para o 54º entre as 60 economias analisadas pelo InternationalInstitute for Management Development (IMD) e pela Fundação Dom Cabral.Esses dados, somados ao pessimismo que agora assombra o agronegócio, sinalizam a necessidade de criarmos um ambiente de negócios mais seguro e estruturado no setor, com sólidos investimentos em políticas agrícolas, infraestrutura, logística e, principalmente, tecnologia, uma das grandes responsáveis pelo aumento da produtividade brasileira.

Os agricultores brasileiros têm feito sua parte. O Índice de Confiança do Agronegócio mostra que houve manutenção da expectativa de investimento em tecnologia ligada ao custeio da safra. Isso demonstra a preocupação com a alta incidência de pragas e doençase o aumento no custo de produção, que levam a um maior uso de defensivos agrícolas e de sementes mais produtivas. Prova disso é o aumento de 17,9% nas vendas de defensivos agrícolas em 2013 em relação a 2012, segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal(Sindiveg).

Não podemos permitir que o agronegócio, um dos motores mais confiáveis e eficientes da nossa economia, comece a engasgar. Se o setor que responde por um terço dos empregos e um quarto do PIB do País começa a ficar pessimista, é sinal de que precisamos reagir rápido e investir em políticas públicas voltadas ao agronegócio. O cenário macroeconômico dos últimos 12 meses amedronta até o mais otimista dos agricultores, mas sabemos que alguns gargalos já se estendem por muitos anos, como crédito agrícola e a falta de uma infraestrutura logística que atenda com maior eficiência o escoamento da produção interna e externa. Que aproveitemos o período das eleições para analisar as propostas de cada candidato e eleger aquela que melhor nos atenda.

*Eduardo Daher é diretor-executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal, Andef. 


Curtir Twittar Promover
publicidade
escola_escritorio

agosto25

Número de indenizações do seguro obrigatório de veículos cresce 14% no ano

O Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Dpvat) pagou, no primeiro semestre deste ano, 340.539 indenizações, o que significa crescimento de 14% comparado a igual período do ano passado. Do total, foram 259.845 indenizações por invalidez permanente, uma elevação de 21%, de acordo com a Seguradora Líder-Dpvat, administradora do seguro no país, que divulgou os dados nesta segunda-feira (25).

O maior número de indenizações (113.996) foi na Região Nordeste, com registros de garantias por morte, invalidez permanente e reembolsos de despesas médicas e hospitalares. A informação é ainda mais relevante, porque a região tem a terceira maior frota do país. O Sudeste, que tem o maior número de veículos do Brasil, ficou em segundo lugar, com 89.466 indenizações pagas no primeiro semestre.

O número de mortes caiu 13% em relação aos seis primeiros meses de 2013. A Região Sudeste registrou 37% do total, seguida da Região Nordeste, com 29% das indenizações por morte.

Os acidentes envolvendo motocicletas representaram 75% (256.387) de todas as indenizações pagas, apesar de corresponderem a apenas 27% da frota nacional de veículos. Os automóveis, que representam aproximadamente 60% da frota, foram responsáveis por 23% dos benefícios pagos (67.906).

Na avaliação do diretor-presidente da Seguradora Líder-Dpvat, Ricardo Xavier, o crescimento do número de indenizações indica que o brasileiro está conhecendo melhor seus direitos e fazendo os pedidos de seguro Dpvat. Mas, apesar da redução das mortes, o trânsito brasileiro ainda requer muita atenção dos órgãos públicos e privados. “Um ponto que deve servir de observação e política pública é o real aumento de acidentes de trânsito no país, principalmente os que envolvem motocicletas”, disse.

Ricardo Xavier destacou que o processo de recebimento do seguro, pelas vítimas de trânsito, é simples, gratuito e não precisa de intermediário para dar entrada no pedido de indenização. “Para ter acesso ao benefício, basta apresentar os documentos no ponto de atendimento escolhido, no prazo de três anos, a contar da data da ocorrência do acidente. Em caso de dúvidas, dispomos de um site com a relação dos locais de atendimento e os documentos necessários para solicitar cada tipo de indenização”, informou.

De acordo com a seguradora, o pagamento da indenização é feito em conta-corrente ou poupança, da vítima ou de seus beneficiários, em até 30 dias após a apresentação da documentação necessária. O valor da indenização é R$ 13,5 mil no caso de morte, de até R$ 13,5 mil para invalidez permanente - variando conforme o caso - e até R$ 2,7 mil para reembolso de despesas médicas e hospitalares comprovadas.

Os recursos do seguro Dpvat são recolhidos do pagamento anual dos proprietários de veículos. Do total arrecadado, 45% são repassados ao Ministério da Saúde para custeio do atendimento médico-hospitalar às vítimas de acidentes de trânsito em todo país 5% vão para o Departamento Nacional de Trânsito aplicar nos programas destinados à educação e prevenção de acidentes de trânsito e 50% são para o pagamento das indenizações. (Agência Brasil)


Curtir Twittar Promover
publicidade
Pet Stop

agosto25

Estudo aponta Copa positiva para os anunciantes

A Copa do Mundo trouxe bons resultados para as marcas que apostaram na Fifa e na CBF, de acordo com estudos do IBOPE Inteligência. Apesar da derrota da seleção brasileira, as marcas envolvidas no evento esportivo tiveram uma grande exposição espontânea nas redes sociais, sempre associadas a sentimentos positivos.

Associação a sentimentos positivos 

Em mais de 80 ações analisadas pelo instituto, pelo menos 12 marcas tiveram taxas de conhecimento, interação e compra acima da média. As ações que trouxeram maior retorno foram lançamento de produtos temáticos, brindes para presentear o torcedor e descontos nos produtos.

Com a derrota do Brasil por 7 x 1 contra a Alemanha, as atitudes dos anunciantes variaram. Entre aqueles que optaram por tirar do ar os comerciais de apoio à seleção, a reação dos consumidores foi negativa: para 41% deles as marcas deveriam ter pensado em novos comerciais. Já as marcas que mantiveram ou criaram novos comerciais de apoio ganharam apoio dos consumidores.

As marcas que tiraram os comerciais de apoio do ar

As marcas que mantiveram ou criaram novos comerciais de apoio

O resultado apresentado pelo estudo é bastante relevante, considerando que o cenário pré-Copa, principalmente ao fim da Copa das Confederações em 2013, não era de ondas calmas para os patrocinadores. Contudo, aqueles que optaram pela moderação, com receio exagerado de algo que não veio, ficaram para trás. Outros, como Coca-Cola, Ambev, Vivo, Itaú e Sadia, podem sorrir. Também foi a Copa das Copas para eles. (Exame)


Curtir Twittar Promover
publicidade
Agronorte

agosto25

Natal recebe etapa do principal torneio de pôquer do Brasil

Depois do sucesso da etapa de Brasília, com direito a recorde de inscritos em uma etapa fora de São Paulo, o BSOP chega a Natal para o primeiro evento deste ano na Região Nordeste. O torneio de pôquer ocorre entre os dias 4 e 8 de setembro.

"Natal já é conhecida como um importante polo de turismo no Brasil. Agora, queremos trazer jogadores de todo o país e também da América Latina para desfrutar deste ambiente maravilhoso fazendo o que mais gostam, que é jogar pôquer", declarou o presidente da Confederação Brasileira de Texas Hold’em (CBTH), Igor Trafane. "Será a primeira etapa do BSOP 2014 na Região Nordeste e esperamos que os jogadores de toda a região compareçam em massa para o torneio", acrescentou.

O brasileiro e membro do "Team PokerStars Pro" André Akkari, campeão mundial de pôquer e detentor de um bracelete da WSOP, já confirmou presença, assim como Caio Pessagno, membro do Team Online do PokerStars.

O evento é aberto a todos, não havendo divisão por níveis, e sim por eventos, como os "high rollers", que são eventos com apostas altas, e o torneio feminino.

As inscrições podem ser feitas através do site (http://www.bsop.com.br/). A premiação ainda não está definida e vai depender das inscrições. Na última etapa, em Brasília, o vencedor levou R$ 287.000,00. (TN Online)


Curtir Twittar Promover

agosto25

Marina diz que partido reúne informações sobre avião que caiu em Santos

A candidata à Presidência da República Marina Silva (PSB) visitou hoje (25) a Bienal do Livro, em São Paulo. Ela e o candidato a vice-presidente na chapa, Beto Albuquerque, disseram que o partido está investigando denúncia de que o jato usado por Eduardo Campos no acidente ocorrido no último dia 13, em Santos (SP), que matou o ex-governador pernambucano e mais seis pessoas, foi comprado com o uso de recursos não contabilizados.

De acordo com informações publicadas ontem (24) pelo jornal A Folha de S.Paulo, a Polícia Federal investiga se o jato Cessna Citation PR-AFA foi comprado com dinheiro de caixa 2 do partido. Além disso, há denúncias de que o partido não declarou nenhuma informação sobre o jatinho à Justiça Eleitoral.

Marina destacou que tem a preocupação de que todos os esclarecimentos sejam dados. “Tanto quanto as razões do acidente, quanto do ponto de vista legal. Esse é um esforço que o partido está fazendo com o senso de responsabilidade que temos que ter com uma questão como essa. Nós queremos que sejam dadas explicações de acordo com a materialidade dos fatos, e para isso é preciso que tenhamos o tempo necessário para que essas explicações tenham a devida base legal”.

“Espero que, entre hoje e amanhã, através do escritório de advocacia que contratamos, possamos dar ao Brasil todos os esclarecimentos. Estamos juntando as informações para que isso não deixe qualquer dúvida para ninguém. Não devemos passar dessa semana sem dar as explicações e esclarecimentos devidos”, disse Albuquerque, após visita à 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, na capital paulista, ao lado da sua candidata à Presidência, Marina Silva. 


Curtir Twittar Promover

agosto25

Internet aproxima país e ajuda na hora do voto, dizem brasileiros no exterior

Em outubro, um grupo de brasileiros participará da decisão sobre quem governará o país mesmo vivendo a milhares de quilômetros de distância. Os residentes no exterior aptos a votar acompanham a realidade nacional por meio da televisão, de jornais, informações de amigos e parentes, e, mais recentemente, com a ajuda da internet e das redes sociais. Especialistas ouvidos pela reportagem destacam que a rede mundial de computadores aproximou o país dos brasileiros que moram fora. Ressaltam, ainda, que o país está em um período de muita evidência no exterior.

“Existe um acompanhamento por parte dessa população sobre a realidade política brasileira. Isso se potencializou com internet, redes sociais”, destaca o cientista político Antônio Flávio Testa, da Universidade de Brasília (UnB). Para Testa, o interesse em acompanhar os fatos se justifica. “São cidadãos brasileiros. Alguma coisa pode ser feita [pelos políticos] para favorecer seus interesses. Muitos têm parentes e negócios no Brasil”, comenta. Na avaliação do cientista político, as manifestações de junho de 2013 e a realização da Copa do Mundo podem estimular um envolvimento maior este ano.

A cientista política Raquel Boing Marinucci, da Faculdade de Direito e Relações Internacionais do Centro Universitário de Brasília, faz análise semelhante. “As manifestações ganharam projeção internacional e obrigaram os brasileiros no exterior a se posicionar com relação à temática. Mas não somente as manifestações. Mesmo que só tivéssemos tido a Copa, sem os protestos, já seria suficiente para colocar o país em evidência, contribuindo para o agendamento e a visibilidade dos brasileiros nas comunidades onde residem”, acredita.

Informações divulgadas no final de julho pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apontam alta do número de brasileiros residentes no exterior aptos a votar neste pleito, na comparação com as últimas eleições federais, em 2010. A quantidade saltou de 200,3 mil para 354,1 mil, um crescimento de 76,7%.

O presidente do TSE, ministro Dias Toffoli, atribuiu a elevação no número de votantes à maior divulgação do voto no exterior e à abertura de consulados. O dado mais recente do Ministério das Relações Exteriores com relação ao total de brasileiros vivendo em comunidades fora do país é de 2012. Naquele ano, mais de 2,5 milhões de cidadãos moravam em território estrangeiro. 

O alistamento eleitoral e o voto são obrigatórios para todos os brasileiros, inclusive residentes no exterior. O voto só é facultativo para jovens maiores de 16 e menores de 18 anos, analfabetos e idosos com mais de 70 anos. Para os brasileiros que moram fora, a obrigatoriedade ocorre apenas nas eleições para presidente da República. Caso esteja ausente do local de votação ou impedido de comparecer, o cidadão deve justificar sua falta por requerimento ao juiz da Zona Eleitoral no Exterior, que pode ser entregue às representações diplomáticas brasileiras ou enviado pelos Correios. Os moradores do exterior que mantiveram seu domicílio eleitoral no Brasil também devem justificar suas ausências às urnas. (Agência Brasil)


Curtir Twittar Promover

agosto25

Doze frases marcantes de Antônio Ermírio de Moraes


Curtir Twittar Promover

agosto25

Papa envia mensagem de solidariedade à família de jornalista norte-americano

O papa Francisco pediu orações contra a “violência insensata” e pelo “amanhecer de paz e reconciliação entre os homens”, numa mensagem lida durante missa pelo jornalista norte-americano James Foley

A mensagem do pontífice foi lida no final da cerimônia religiosa na igreja de Rochester, New Hampshire, nos Estados Unidos, da congregação a que pertencem os pais de Foley, morto na semana passada por extremistas do Estado Islâmico no Iraque.

O papa, na mesma carta, disse que se une à dor dos parentes, amigos e colegas do jornalista e que vai rezar por Foley.

Na última quinta-feira (21), Francisco falou pelo telefone com a mãe do jornalista e, segundo os serviços de imprensa do Vaticano, “ficou fortemente impressionado pela grande fé da mulher”.

Foley tinha 40 anos e pertencia a uma família católica. Estudou na Marquette University, uma instituição acadêmica de jesuítas no estado do Wisconsin.


Curtir Twittar Promover

agosto25

Peru registra terremoto de 6,1 graus na escala Richter

A Região Sul do Peru registrou, na noite de ontem (25), um terremoto de magnitude 6,1 na escala Richter, segundo o Instituto Geofísico do país.

O tremor de terra foi registrado às 18h21 (horário local) e o epicentro do sismo foi localizado a 40 ao norte de Coracora, na região de Ayacucho, a uma profundidade de 100 km.

O terremoto foi sentido com intensidade nas regiões de Cuzco e Ayacucho.

Apesar de as autoridades peruanas terem registrado a magnitude do tremor em 6,1, o Instituto Geológico norte-americano, que monitora a atividade sísmica em todo o mundo, constatou magnitude 7 e alertou para a possibilidade de ocorrência de tsunamis devido à intensidade do abalo. 


Curtir Twittar Promover
publicidade
DNA Center

agosto25

Morre aos 86 anos o empresário Antônio Ermírio de Moraes

O empresário Antônio Ermírio de Moraes, presidente de honra do Grupo Votorantim, morreu na noite de ontem (24) na capital paulista, aos 86 anos, por insuficiência cardíaca, segundo a assessoria de imprensa da empresa. O corpo será velado hoje (25), a partir das 9h, no Salão Nobre do Hospital Beneficência Portuguesa. O enterro será às 16h no Cemitério do Morumbi.

Engenheiro metalúrgico formado pela Colorado School of Mines, nos Estados Unidos, Antônio Ermírio iniciou a carreira no Grupo Votorantim em 1949, sendo o responsável pela instalação da Companhia Brasileira de Alumínio, inaugurada em 1955. O grupo está presente em mais de 20 países, nos segmentos de metais, cimento, papel, química, eletricidade e sucos.

Em 1986, foi candidato ao governo do estado de São Paulo pela União Liberal Trabalhista Social ( PTB, PL e PSC ), mas perdeu para Orestes Quércia (PMDB). Escreveu e produziu três peças teatrais, com foco nos problemas brasileiros, sendo membro da Academia Paulista de Letras.

Em nota, a Votorantim lamentou a morte do empresário. “Com o falecimento do Dr. Antônio Ermírio de Moraes, o Grupo Votorantim perde um grande líder, que serviu de exemplo e inspiração para seus valores, como ética, respeito e empreendedorismo, e que defendia o papel social da iniciativa privada para a construção de um país melhor e mais justo, com saúde e educação de qualidade para todos. Dr. Antônio deixa a esposa, Dona Maria Regina Costa de Moraes, com quem teve nove filhos”.  

O empresário estava entre os homens mais ricos do mundo, segundo a Forbes, com fortuna avaliada em quase 4 bilhões de dólares.


Curtir Twittar Promover
publicidade
escola_escritorio

agosto24

Sim, biblioteca é importante!

Por *Cláudia Santa Rosa 

Tem coisa mais desgastante do que a gente viver para convencer de que biblioteca é importante? Ora, por favor, até o fim direi que se trata da defesa do óbvio. Basta pensarmos que até o gestor público menos erudito acumula ou, provavelmente, um dia acumulou livros, numa estante particular, afinal de contas ser leitor parece conferir status.

Deste modo, se não são poucos os que se qualificam como leitores, são muitos os que quando ocupam cargos públicos, em especial no executivo, recorrem às mais estranhas justificativas e subtraem o direito de todos terem acesso à leitura e à literatura. Às vezes, é bem verdade, não são pessoas mal intencionadas, só lhes falta a sensibilidade de querer para o outro o que desejam para os seus e de enxergarem os efeitos coletivos de realizar investimentos numa política pública de formação de leitores.

No âmago dessa discussão, carece lembrar que, historicamente, o Brasil sempre secundarizou as bibliotecas públicas, tanto é que ainda temos mais de três centenas de municípios que não dispõem desse equipamento. Por outro lado os levantamentos denunciam o alto percentual daqueles que têm, mas que fecham as portas da biblioteca à noite e durante os finais de semana, excluindo o acesso para quem teria disponibilidade apenas nesse turno e/ou dias.

Nas escolas a situação não é diferente. Mais de dois terços delas, em todo Brasil, ainda não contam com biblioteca, apesar da Lei Federal 12.244/10 estabelecer o ano de 2020 como prazo limite para que 100% das instituições públicas e privadas contem com tal equipamento e com a assessoria de bibliotecários.

No Rio Grande do Norte o cargo de bibliotecário inexiste nas redes de ensino do estado e dos municípios. Como se não bastasse, o trabalho de mediação de leitura, realizado por professores, tem o seu valor diminuído por alguns gestores de ocasião. Quase sempre, é insuficiente ter o perfil adequado para exercer a docência na biblioteca da escola e contribuir com o processo de formação de leitores, é preciso, antes de tudo, ser um professor afastado de sala de aula, readaptado de função, por problemas de saúde. Lastimável!

No que diz respeito às bibliotecas comunitárias, é incontestável a contribuição às localidades onde as mesmas estão inseridas. Entretanto, são flagrantes as dificuldades de sustentabilidade desses projetos, decorrentes da falta de incentivos estatais, o que deveria ocorrer de forma perene, pelo fato dessas bibliotecas nascerem de uma lacuna deixada pela gestão pública.

Seja bibliotecas públicas, bibliotecas de escola ou bibliotecas comunitárias, em todos os casos estamos a defender que sejam espaços vivos, apropriados à pesquisa e reconhecidos por suas programações sistemáticas, envolvendo rodas de leitura, bate-papo com autores e ilustradores, recitais, saraus, exibições de filmes, concertos, exposições, entre outros. Esses espaços cumprem bem as suas funções quando são dinamizados por profissionais leitores, além de identificados com a implementação de estratégias que promovam o acesso do público à cultura escrita. Negligenciar uma política pública dessa importância é prestar um desserviço à cidadania.

*Educadora e Diretora Executiva do Instituto de Desenvolvimento da Educação – IDE (educadora@claudiasantarosa.com)


Curtir Twittar Promover
publicidade
Pet Stop

agosto24

Suicídio do ex-presidente Getúlio Vargas completa 60 anos

“Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História”. A frase, uma das mais célebres passagens da história política brasileira, encerra a carta-testamento deixada por Getúlio Vargas. Há 60 anos, no dia 24 de agosto de 1954, o então presidente tirou a própria vida em meio à pior crise enfrentada em seus anos de atuação política. 

Uma reunião com os ministros no Palácio do Catete varou a madrugada e decidiu que Getúlio se afastaria do governo por três meses para dar lugar ao vice, Café Filho. Após o fim da discussão, já com o dia claro, o político se recolheu ao seu aposento. Por volta das 8h35, o barulho de um tiro ecoou pelo palácio. Seu filho Lutero correu para o quarto, seguido pela esposa de Vargas, Darcy, e a filha Alzira.

"Getúlio estava deitado, com meio corpo para fora da cama. No pijama listrado, em um buraco chamuscado de pólvora um pouco abaixo e à direita do monograma GV, bem à altura do coração, borbulhava uma mancha vermelha de sangue. O revólver Colt calibre 32, com cabo de madrepérola, estava caído próximo à sua mão direita". É assim que o biógrafo Lira Neto descreve o cenário da morte de Vargas no terceiro volume da série Getúlio.

A carta-testamento de Getúlio Vargas, que seria lida durante aquele dia pelas rádios em todo o território nacional, foi encontrada em um envelope, encostada ao abajur da mesinha da cabeceira da cama do então presidente. Nos apontamentos do biógrafo, o texto, originalmente esboçado por Getúlio, teve sua versão final passada na máquina de escrever pelas mãos de um amigo, José Soares Maciel Filho, já que o ex-presidente não sabia datilografar. O rascunho da carta havia sido encontrado no dia 13 de agosto pelo major-aviador Hernani Fittipaldi, um dos ajudantes de ordem de Getúlio, enquanto arrumava a mesa do presidente.

Assustado com o conteúdo do manuscrito, ele entregou o papel à Alzira, que questionou o pai. “Não é o que estás pensando, minha filha. Não te preocupes, foi um desabafo”, se esquivou Vargas. Essa porém não foi a primeira vez que Getúlio fez menção ao suicídio. Em suas anotações pessoais, ele já havia cogitado tirar a vida em outros momentos de sua jornada política.

A primeira delas foi quando chegou ao poder em 1930. Naquela data, enquanto se encaminhava para a sede do governo, se disse disposto a não retornar com vida ao Rio Grande do Sul caso não obtivesse sucesso na empreitada. Era a primeira anotação pessoal que fazia no diário que carregou para o resto da vida. Lira Neto considera que a diferença em 1954 é que Getúlio se viu encurralado e não conseguiu contornar a crise, como das outras vezes.

Depois de chegar ao poder na liderança do movimento que ficou conhecido como Revolução de 1930, o político gaúcho Getúlio Dornelles Vargas exerceu o governo no país de forma ininterrupta até 1945. De 1930 a 1934 ele foi chefe do governo provisório. Em 1934 foi eleito presidente da República pela Assembleia Nacional Constituinte e exerceu o Governo Constitucional até 1937, quando, por meio de um golpe, instaurou a ditadura do Estado Novo, que durou até 1945. Retirado do comando do país por um golpe militar, se recolheu à cidade natal, São Borja (RS), de onde articulou a volta ao poder pela via democrática nas eleições presidenciais de 1950, cujo mandato não conseguiu completar. (Agencia Brasil)


Curtir Twittar Promover
publicidade
Agronorte

agosto24

Previdência inicia nesta segunda pagamento do 13º salário

A Previdência Social inicia nesta segunda-feira (25) o pagamento da primeira parcela do décimo terceiro salário. Na mesma data tem inicio o depósito dos benefícios da folha de agosto para os segurados que recebem até um salário mínimo e têm cartão com final 1, desconsiderando-se o dígito. Para quem recebe acima do mínimo, o pagamento começa a ser depositado no dia 1º de setembro. O calendário de pagamento de agosto segue até o dia 5 de setembro.

Na folha de agosto, a Previdência vai transferir para economia dos municípios mais de R$ 13,9 bilhões referentes apenas ao pagamento da primeira parcela da gratificação natalina, conhecida como décimo terceiro salário. Ao todo mais de 27 milhões de benefícios terão direito ao abono em todo o Brasil. Além disso, a folha de agosto vai pagar mais de 31 milhões de benefícios o que corresponde a cerca de R$ 29 bilhões. Essa diferença entre a quantidade de benefícios da folha e o número de benefícios do abono ocorre porque nem todos os segurados têm direito a receber o décimo terceiro salário. O valor total da folha, considerando o pagamento da gratificação natalina ultrapassa R$ 43 bilhões.

Não haverá desconto de Imposto de Renda (IR) nesta primeira parcela. De acordo com a legislação, o IR sobre o décimo terceiro salário só é cobrado em novembro e dezembro, quando será paga a segunda parcela da gratificação natalina, informou o Ministério da Previdência Social.

O extrato mensal de pagamento de benefícios estará disponível para consultas na página do ministério na internet a partir do dia 25 de agosto e também nos terminais de autoatendimento dos bancos pagadores. 


Curtir Twittar Promover

agosto24

Aécio promete reajustar aposentadorias considerando aumento dos remédios

O candidato à Presidência da República da coligação Muda Brasil, Aécio Neves (PSDB), prometeu hoje (24), durante visita ao Abrigo Cristo Redentor, em Higienópolis, na zona norte do Rio de Janeiro, caso venha a ser eleito, reajustar o valor das aposentadorias não só com base no aumento real do salário mínimo mas também considerando o aumento dos preços dos medicamentos. “Isso é absolutamente essencial para que os idosos possam viver com um mínimo de dignidade”, disse o candidato, em entrevista à imprensa após percorrer as instalações do abrigo.

Aécio Neves também anunciou a intenção de reajustar o benefício de prestação continuada, criado no governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso. “Será a primeira sinalização clara de que os aposentados e os idosos no Brasil começarão a ter um tratamento diferenciado, condizente com o respeito que a sociedade deve ter para com eles”.

O candidato da coligação Muda Brasil pretende adotar, em nível federal, o programa Digna Idade, que implantou quando governador de Minas Gerais. Segundo Aécio, o programa terá como primeira vertente ampliar e qualificar os cuidadores, e em segundo lugar um apoio mais efetivo às unidades, principalmente as que atendem idosos que foram abandonados em hospitais ou pelas próprias famílias.

“O Brasil vem envelhecendo e não se preparou para cuidar de seus idosos. Nós temos poucas casas como este abrigo que estamos visitando hoje. Vamos ampliá-las Brasil afora”, prometeu. De acordo com o candidato tucano, os recursos para melhorar a atenção aos idosos virão de “um Estado com uma política fiscal austera, que não desperdice, que não aumente os gastos correntes de forma avassaladora e irresponsável”.

Logo após chegar ao Abrigo Cristo Redentor, Aécio Neves confraternizou-se com os idosos da instituição. Cantou com eles a canção Amizade Fraterna, de Renato Teixeira, e dançou ao som de sambas, entre eles a dança do bole-bole, cantados por Arlete dos Santos, de 73 anos, sentada em sua cadeira de rodas, e Ladir Rodrigues, de 67 anos.

Fundado há 78 anos, no governo de Getulio Vargas, o Abrigo Cristo Redentor inicialmente recebia menores e idosos e funcionava como um grande complexo de assistência social. Ao longo dos anos foi mudando de perfil e, na década de 1980, passou a abrigar apenas idosos. O espaço pertence ao governo federal, mas desde 2008 é administrado pela Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos. 


Curtir Twittar Promover

agosto24

Uma cerveja com sabor "bourbon", por favor


Trabalhador instala o equipamento de fermentação na cervejaria Brooklyn Brewery, em Nova York

Faz tempo que a produção de cerveja dos Estados Unidos decidiu ir muito além da conhecida Budweiser, mas agora a nova onda das cervejarias é o "vintage", com o armazenamento do líquido em antigos barris de madeira, utilizados para o envelhecimento de "bourbon", vinho e brandy, para se encher com seu sabor. 

A cerveja, tradicionalmente a bebida alcoólica mais barata do cardápio de um bar, vem há alguns anos reivindicando sua condição de produto sofisticado: são feitas degustações, visitas guiadas às cervejarias, a gama de sabores se multiplica e os preços sobem, exatamente como a espuma.

"Como mestres cervejeiros, estamos sempre buscando formas de conseguir novos sabores. E uma maneira que encontramos foi o envelhecimento da cerveja em barris que antes foram utilizados para o vinho e outras bebidas", explicou à Agência Efe Damian Brown, um dos responsáveis da The Bronx Brewery, que distribui sua bebida por toda Nova York.

Em sua cervejaria há 50 tonéis para cervejas envelhecidas em barris de gin, "bourbon" e vinho. Outras, como a The Brooklyn Brewery, disponibilizaram mais de 2 mil barris para o envelhecimento de cerveja que se concentram exclusivamente no sabor "bourbon".

Já a Other Half Brewing tem sua preferência pelo aroma do vinho. Atrás ficam as cervejas frutadas e fermentadas com diferentes cereais. Este tipo flerta com o conceito de coquetel.

Além da imaginação dos produtores, agora existe também a predisposição dos consumidores.

"Antes havia muitos preconceitos sobre o que se poderia pedir em uma cerveja. Mas isso mudou nos últimos anos e as pessoas não se importam com uma cerveja que se parece com vinho, se deram conta que o sabor é tão bom ou melhor que podem escolher exatamente o que querem", comentou à Agência Efe Zach Mack, proprietário de um bar especializado em cerveja no East Village de Nova York.

Superado esse preconceito, foi criado todo um mercado "gourmet" para as cervejas e ele não se restringe à cerveja americana, mas atualmente reúne várias tendências que ocupam a obsessão do consumidor, coroadas, como diz Mack, por "algo tão (norte) americano como agregar sabores".

Por um lado, o impulso dado pelos processos artesanais, pois, depois de anos utilizando barris de aço inoxidável, a cerveja se reencontrou com a madeira de suas origens, o que remete a uma época tão glamorosa como a da Lei Seca.

O que, certamente, repercute no preço, de aproximadamente US$ 12 por garrafa.

"É muito mais caro do que o envelhecimento em tanques de aço inoxidável, tanto pelo tempo que envolve (algumas de nossas cervejas levam mais de um ano) como pelo preço de manutenção dos barris", comentou Brown.

Por outro lado, vivemos na era da sustentabilidade e o envelhecimento em barris de madeira envolve a reciclagem.

Entretanto, isso se deve mais ao acaso do que à consciência ecológica, pois quando os mestres cervejeiros decidiram reutilizar os antigos barris usados para o envelhecimento de outros licores e vinhos, se deram conta da sinergia que surgia com suas cervejas.

"Um tonel novo pode ser muito caro, portanto os primeiros que decidiram voltar à madeira foram até as destilarias para reutilizar os velhos barris e, assim, conseguir um melhor preço", explicou Mack.

Por último, é um produto local. "Provavelmente isso é o que mais nos agrada. É algo claramente americano e está funcionando", disse Mack, que descreveu o sabor da cerveja de "bourbon" como "delicioso".

Para ele, esta nova maneira de consumir cerveja é compatível com a de toda a vida. "É o mesmo que acontece com os hambúrgueres. Você até pode ir a um McDonalds, mas também existem opções mais sofisticadas", garantiu.

Mesmo com tanta erudição na produção de cerveja, tanto os produtores como os proprietários dos locais não querem que seu produto se transforme em um bem de luxo.

"A cerveja sempre será uma bebida do povo", opinou Brown, "só fazemos o possível para garantir que ela seja da melhor qualidade e que conquiste a imaginação, o coração e a mente" dos consumidores, acrescentou. (EFE)


Curtir Twittar Promover

agosto24

Brasil é ingerenciável e tem indústria sucateada, diz Abilio

O empresário Abilio Diniz, atual presidente da BRF, fez críticas ao atual governo e afirmou que o Brasil se tornou um país ingerenciável, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

"A primeira sensação que temos é: o país não é ingovernável, mas é ingerenciável", afirmou o empresário.

Abilio criticou a existência dos atuais 39 ministérios. “Eu sou um bom gestor e não consigo administrar mais de 12 pessoas abaixo de mim. Por que temos 39 ministérios? Isso acontece porque os presidentes ficam reféns dos compromissos de campanha e dos acordos no Congresso para governar”, disse Abilio.

O empresário afirmou também ao jornal que o brasileiro paga imposto demais e que a Receita trata os contribuintes como delinquentes. “Foi esse sistema tributário complexo e absurdo que sucateou a nossa indústria”.

Para Abilio, o mau humor do empresariado com a presidente Dilma Rousseff é apenas uma consequência da falta de transparência e da má comunicação de seu governo. 


Curtir Twittar Promover

agosto24

Rede Globo encomenda pesquisa Ibope no RN e divulgará quinta-feira

Na próxima quinta-feira a InterTV Cabugi, afiliada da Rede Globo, divulgará pesquisa Ibope sobre o pleito do Rio Grande do Norte. A pesquisa entrevistará 812 pessoas de amanhã até a próxima quinta-feira.

A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa está com o registro no TRE no número 016/2014. (Blog Panorama Político)


Curtir Twittar Promover