Natal(RN), Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015

    maio25

    Gilmar Dal Pozzo é o novo técnico do Mais Querido

    O catarinense Gilmar Dal Pozzo, 45 anos, é o novo técnico do ABC. O treinador chega para comandar o alvinegro na sequência do Campeonato Brasileiro da Série B.

    Gilmar trabalhou em equipes como Criciúma/SC, Chapecoense/SC, Veranópilis/RS, Pelotas/RS e Novo Hamburgo/RS, foi o técnico da Chapecoense entre 2012 e 2014, quando a equipe saiu da Série C e chegou à Série A. 

    publicidade
    DNA Center

    maio25

    Estacionamento rotativo será discutido hoje na CDL Natal

     

    O prefeito Carlos Eduardo Alves e o Presidente da CDL Natal Augusto Vaz recebem hoje, logo mais às 18h30, na sede da CDL Natal, empresários dos principais centros comerciais (Ribeira, Cidade Alta, Alecrim, Tirol, e Petrópolis) para discutir a possível implantação do estacionamento rotativo pago no comércio de rua da capital potiguar.

    A reunião visa encontrar junto com o chefe do executivo municipal uma possível solução para a falta de vagas no comércio de rua de Natal.

    “Estamos promovendo nessa reunião o diálogo entre o prefeito e a classe empresarial para juntos avaliarmos a implantação do estacionamento rotativo pago. É esse o caminho para a falta de vagas no comércio de rua? Em que ruas ele deve ser implantado? São essas e outras questões que buscamos esclarecer hoje”, afirmou o presidente da CDL Natal Augusto Vaz. 

    publicidade
    escola_escritorio

    maio25

    Maioria da geração Y prefere trabalhar com tecnologia

    Um levantamento realizado pelo Bank of America Merrill Lynch revela que a maioria esmagadora dos jovens da geração Y prefere trabalhar com tecnologia do que em qualquer outro setor.

    Segundo a pesquisa, cerca de 20% dos jovens mencionam o Google como a empresa ideal para seguir carreira. A Apple também é lembrada por 13% dos entrevistados e o Facebook é considerado por 9% como o melhor lugar para trabalhar.

    O relatório, divulgado na sexta-feira (22), buscava descobrir algumas tendências específicas sobre os millennials. De acordo com os autores do estudo, as aspirações de carreira desses jovens são guiadas pela tecnologia, mais especificamente o Vale do Silício.

    Escrito pelos estrategistas Sarbjit Nahal, Beijia Ma e Felix Tran, o estudo tinha como objetivo descobrir tendências especificas em relação a essa geração e ajudar os investidores a conquistar esse público, destacando 8 temas muito valorizados pelos jovens, os quais incluem tecnologia (1), consumidores (2), bebida, saúde e bem estar (3), família (4), finanças (5), educação (6), mulheres (7) e a chamada Economia Colaborativa (8).

    Não é à toa que empresas como Google e Facebook estão entre as empregadoras mais lembradas pelos jovens. Mesmo em classificações que envolvem diversos setores, essas companhias acabam se destacando tanto pelo salário pago a seus funcionários, quanto pelos benefícios, cultura organizacional colaborativa e escritórios de plano aberto.

    No Google, por exemplo, são oferecidos desde auxílio na educação, comida de graça, desconto em academias, folgas remuneradas, apoio ao trabalho voluntário e licença remunerada para homens e mulheres que acabam de ter um filho.

    publicidade
    Pet Stop

    maio25

    "Deus ajudou", diz piloto sobre acidente em avião com Huck e Angélica

    Ainda assustado com o pouso de emergência realizado em uma fazenda a 30 km de Campo Grande (MS) na manhã de domingo (24), o piloto Osmar Frattini, de 52 anos, disse que "Deus ajudou" para que todos que estavam a bordo saíssem com vida após o acidente com os apresentadores Luciano Huck e Angélica.

    "Deus ajudou. Foi uma pane", resumiu Frattini, que sofreu um corte na cabeça, em entrevista ao "Fantástico", da TV Globo. "Não pode ser baixado o trem de pouso porque aí já complica", acrescentou em seguida, ao se questionado pela repórter.

    Além do piloto e co-piloto, estavam no avião Luciano Huck, a mulher Angélica, os três filhos e duas babás. Todos foram encaminhados para o hospital Santa Casa de Campo Grande, onde receberam atendimento no setor de ortopedia.
    Segundo a médica Priscila Alexandrino, da diretoria técnica do hospital, há suspeitas de que Angélica tenha sofrido fratura na bacia e Luciano tenha fraturado uma vértebra.

    Às 15h44, a Santa Casa de Campo Grande divulgou nota informando que todos os feridos passaram por exames de raio-X e tomografia, e que nada grave foi diagnosticado. "Por solicitação dos familiares, a Assessoria de Imprensa do hospital comunica que não serão mais liberadas quaisquer informações a respeito do quadro clínico", afirma o hospital.

    Após passarem pelos exames, os apresentadores foram transferidos para o hospital Albert Einstein, em São Paulo.

    O acidente

    O avião, modelo Embraer 820C, decolou da Estância Caiman, na cidade de Miranda, e seguia para Campo Grande, em um trajeto de 230 quilômetros, quando sofreu uma falha. O piloto informou os controladores por volta das 11h.

    Segundo o capitão médico Mauro Pascale, que participou do resgate, a equipe foi acionada por um alerta de acidente aeronáutico. "Chegamos ao local com quase nada de informações. O Corpo de Bombeiros já tinha assistido as vítimas mais leves. Quem tinha o estado um pouco mais grave era o piloto, que bateu a testa no painel e tinha um traumatismo crano-encefálico leve. Ele estava consciente e foi evacuado pela nossa equipe", afirmou.

    Num segundo voo ao local, a equipe coletou material e fez fotos para ajudar na investigação. Por meio de nota, a FAB informou que uma equipe do Quarto Serviço de Prevenção e Investigação de Acidentes (SEPIPA 4) seguiu para o local para apurar as causas do acidente.

    À tarde, Lorena Leonardo, proprietária da fazenda, tentava controlar o movimento no local, cheio de curiosos. "Isso atrapalha a investigação, tem muita gente aglomerada", disse ela, que foi avisada pelo noivo do incidente. "Quando cheguei, Luciano e Angélica já tinham saído, só tinha ficado o piloto, que havia machucado a cabeça", contou.

    Testemunha

    Edineuza Sanches, testemunha do acidente com a família Huck, disse que Osmar Frattini "foi um grande piloto". "Ele tinha 10 minutos para salvar todo mundo. É um grande piloto. Poderia ter explodido o avião se ele não desligasse tudo, mas teve toda a sabedoria e, Deus abençoou, que todos saíram com vida", relatou Edineuza entrevista ao "Fantástico".

    Gravação do "Estrelas"

    Angélica gravava um especial do programa "Estrelas" no Pantanal e era acompanhada por Huck e os filhos. No sábado, o apresentador havia publicado um vídeo da região em seu Instagram, elogiando a beleza do lugar. (UOL)

    publicidade
    Agronorte

    maio25

    Previsão do tempo para o Nordeste

    Entre o litoral norte da BA e o litoral de AL: muitas nuvens e chuvas isoladas. No leste da BA e demais áreas de SE e AL: nublado com possibilidade de chuva. No leste de PE e centro-leste da PB e do RN: possibilidade de pancadas de chuva. No centro-norte do MA: nebulosidade variável e pancadas de chuva isoladas. No noroeste da BA, sudoeste do PI e sul do MA: possibilidade de pancadas de chuva a partir da tarde. Nas demais áreas da região: sol e poucas nuvens. Temperatura estável. Temperatura máxima: 35°C no oeste do RN. Temperatura mínima: 17°C no interior da BA.

    Tendência: No norte do CE, norte do PI e norte e noroeste do MA: nebulosidade variável com pancadas de chuva isoladas. No leste da BA: dia nublado. Entre o litoral da BA e o litoral da PB: nublado com possibilidade de chuva. No oeste do RN, oeste da PB, faixa central do CE, PI e MA: possibilidade de pancadas de chuva a partir da tarde. Nas demais áreas da região: sol entre poucas nuvens. Temperatura estável.

    Fonte: CPTEC/INPE

    publicidade
    Febre Aftosa

    maio25

    El Niño está de volta

    O serviço meteorológico australiano já emitiu o alerta: o fenômeno "El Niño" está de volta. Registrado pela última vez há cinco anos, ele interfere nas características climáticas de várias regiões do planeta, especialmente no Sudeste Asiático e na América Latina. Os efeitos são variados, podendo ir de chuva à seca, de acordo com a região. Ele pode, também, fazer com que uma estação do ano fique mais quente do que o normal.

    O "El Niño" é uma anomalia climática do Pacífico Sul: em intervalos regulares, as variações normais do tempo sofrem alterações. O fenômeno ocorre entre a costa oeste da América Latina e o Sudeste Asiático, mas seus efeitos podem ser sentidos em todo o mundo. Várias vezes, ele levou a desastres naturais.

    Normalmente, águas quentes superficiais fluem, a partir da América Latina, em direção ao oriente. Enquanto águas geladas viajam no sentido contrário, nas profundezas do oceano. Nos anos em que o "El Niño" foi registrado, essas correntes ficaram mais fracas e, algumas vezes, chegaram a mudar de direção. 

    O fenômeno fez também com que a temperatura da água superficial da costa da Austrália e da Indonésia ficasse vários graus mais baixa, enquanto na América Latina ela aumentou. A última vez que "El Niño" ocorreu foi entre 2009 e 2010. Ele costuma durar cerca de um ano.

    O fenômeno provoca mudanças nos oceanos. Corais, plâncton e algas morrem nas águas quentes da América Latina. Peixes migram, devido à falta de alimentos, o que acaba afetando a indústria pesqueira regional. O aquecimento considerável da água também leva a áreas de baixa pressão na costa oeste da América Latina. Isso pode desencadear chuvas torrenciais e, como consequência, deslizamentos e enchentes.

    Do outro lado do Pacífico – sobretudo na Indonésia e no norte da Austrália – acontece o contrário: secas, colheitas fracas e um risco maior de incêndios florestais. Durante "El Niño", o fenômeno das monções, que geralmente leva à região a necessária chuva, pode chegar mais tarde ou simplesmente sequer acontecer.

    Pesquisadores não sabem ao certo. Mas há indicações de que não seja causado por influência humana e que ele já exista há séculos. O que suspeita-se é que o efeito estufa possa fazer com que o "El Niño" ocorra mais frequentemente e de forma mais intensa.

    As variações climáticas tendem a ser sentidas com mais força no período de Natal. Por isso, pescadores peruanos, os mais afetados pelo fenômeno devido à redução no número de peixes, resolveram chamá-lo de "El Niño", termo espanhol que, quando grafado em letra maiúscula, se refere ao menino Jesus.

    Um estudo do centro alemão de pesquisas oceânicas Geomar, baseado em estimativas, aponta que "El Niño" pode se tornar mais comum. Até o ano de 2100, afirma o instituto, correntes de ar podem perder força e mudar de direção rumo a Leste, o que levaria a um efeito "El Niño" permanente. Isso seria resultado do aquecimento global, mas seria pouco sentido de fato no clima.

    Há, porém, evidências conflitantes. Dados coletados entre 1979 e 2013 sugerem que houve uma intensificação geral da circulação de ar, o que poderia agir, na verdade, contra o ciclo do "El Niño".

    No Nordeste Brasileiro, o volume de chuvas abaixo da média normal, caracterizando mais um ano de estiagem foi atribuída por meteorologistas ao aquecimento das águas superficiais do Pacífico Sul. Como ele apareceu já no final da quadra chuvosa no sertão, pesquisadores acreditam que o fenômeno ainda possa prejudicar o inverno no litoral e agreste nordestinos, que começa na segunda quinzena de maio. No Rio Grande do Norte, faltando pouco mais de uma semana para o início de junho, as chuvas nessas áreas são escassas. (Tribuna do Norte)

    publicidade
    Marcelo Abdon

    maio25

    Fifa vai distribuir R$ 2 milhões em dinheiro vivo a cartolas durante eleição

    A cidade de Zurique vai viver um mini-boom econômico a partir de hoje (25). A Fifa decidiu que, para suas reuniões anuais que começam nesta segunda-feira e que culminam com as eleições para definir o próximo presidente, cada cartola que viajará para a cidade suíça receberá dinheiro vivo para poder gastar com despesas pessoais enquanto estiverem no evento.

    Por dirigente, a Fifa vai dar US$ 1 mil em dinheiro assim que o cartola pisar em Zurique. Isso, claro, sem contar com hotel e transporte. Segundo a entidade, diante da dificuldade de fazer a transferência por banco a cada uma das 209 federações, o dinheiro será distribuído em espécie, em envelopes. Por federação, além do presidente, outros dois cartolas poderão receber o dinheiro. No caso da CBF, ela inclui o presidente Marco Polo Del Nero.

    Durante o evento, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, 79 anos, vai concorrer a seu quinto mandato consecutivo. Na última quinta-feira, dos quatro concorrentes ao cargo, dois já desistiram, alegando que não têm qualquer chance diante das táticas usadas por Blatter. Segundo eles, enquanto a oposição tenta trazer ideias e debates, o suíço concentra sua campanha em apenas um aspecto: dinheiro e retribuição de favores.

    O suíço se recusou a fazer parte de qualquer debate público com outros candidatos e ainda se recusou a apresentar seu plano de governo para os próximos quatro anos.

    Essa não é a primeira vez que os dirigentes são informados pela Fifa que vão ganhar dinheiro, simplesmente por ir às eleições. Um dia depois de a entidade anunciar a lista oficial dos candidatos para a eleição, há três meses, Blatter enviou uma carta aos presidentes de todas as 209 federações para anunciar que estava oferecendo US$ 300 mil a cada um deles, usando um total de US$ 62 milhões dos caixas da entidade.

    São justamente os presidentes das 209 federações que escolherão o novo comando da Fifa. Além de Blatter, naquele momento concorriam ao cargo o príncipe da Jordânia, Ali Bin Al Hussein, o ex-jogador Luís Figo e o cartola holandês Michael van Praag. Hoje, Ali é o único que continua no páreo contra Blatter.

    A carta, obtida com exclusividade pela reportagem, é assinada pelo braço direito de Blatter, o francês Jérôme Valcke, e foi enviada no dia 30 de janeiro, um dia depois do registro oficial dos candidatos. Segundo o documento, a gerência da Fifa indicava que todas as federações que estivessem interessadas em ganhar esse bônus de US$ 300 mil deveriam se apresentar.

    Se para grandes federações como a da Alemanha, Inglaterra e mesmo a CBF o valor é baixo, o dinheiro pode representar até 20% do orçamento de dezenas de federações nacionais para o ano de 2015. Das 209 federações, cerca de 100 delas contam com recursos que não ultrapassam a marca de US$ 2 milhões por ano. O cheque de Blatter, portanto, faz diferença.

    Oficialmente, o dinheiro deveria ser usado para ajudar as federações a enviar suas equipes para as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. A Fifa também autoriza as federações a usar o dinheiro para competições como a Sub-17, Sub-20, Futsal e até para os torneios de Beach Soccer em 2015 e 2016.

    Em 2014, a Fifa também já usou a mesma estratégia e, com a renda da Copa do Mundo no Brasil, distribuiu mais de R$ 200 milhões aos dirigentes das 209 federações nacionais, justamente os 209 votos na eleição.

    Durante a Copa, a Fifa ganhou isenção total de impostos no Brasil e, enquanto o País encara pelo menos metade dos estádios do Mundial em dificuldades financeiras, nunca em sua história a entidade em Zurique acumulou uma fortuna tão elevada: US$ 1,4 bilhão. (Estadão)

    maio25

    Governo sem rumo

    Por *Míriam Leitão

    Os números e fatos ruins têm feito fila. É um por dia, e, às vezes, mais de um. Na semana passada, houve aumento de gastos sendo decididos pelo Congresso, desemprego de jovens de 16,2%, quase 100 mil demitidos do mercado formal em abril, e o Banco Central informou que a economia encolheu durante o primeiro trimestre. A ressaca de uma campanha eleitoral equivocada ainda não passou.

    Foi tão falsa a campanha da presidente que diariamente o país fica de frente com a contradição entre o projetado e o acontecido. Quando o governo foi explicar, na sexta-feira, os cortes no Orçamento, ficou claro que os ex-ministros Guido Mantega e Miriam Belchior já sabiam — só não diziam — que haveria mudança no seguro-desemprego e no abono salarial. Então calcularam um gasto R$ 10 bilhões menor com esses dois benefícios. Durante a campanha, a presidente repetiu inúmeras vezes que não era necessário ajuste fiscal, porque isso seria o mesmo que cortar direitos de trabalhadores. Agora, a propaganda do governo repete que o ajuste está sendo feito para garantir as conquistas anteriores. Não é verdade, ele está sendo feito porque é preciso corrigir os inúmeros erros cometidos no governo anterior pela presidente Dilma.

    A equipe econômica faz o que pode para tentar salvar algo deste grande naufrágio a que nos levou as antigas escolhas do governo, mas há um clima de crise no país, que enfraquece qualquer indício de recuperação. Ela pode vir, mas será lenta. Antes, será preciso conquistar a credibilidade no projeto do atual governo para a economia.

    Nada faz muito sentido no governo. Ele fala agora em transparência, e a equipe econômica tem praticado isso, mas o projeto de quebrar o sigilo do BNDES foi vetado pela presidente Dilma com o argumento de que a medida “feriria sigilos bancários e empresariais”das empresas tomadoras de recursos. É um espanto esse argumento. Obviamente, um banco cuja única fonte de recursos é o Tesouro e fundos coletivos, como o Fundo de Amparo ao Trabalhador, não pode esconder as condições, garantias, custos e prazos dos empréstimos que concede argumentando que é preciso proteger o tomador do crédito. O único argumento que faria sentido seria respeitar a legislação do mercado de capitais que manda resguardar algumas informações temporariamente. Publicado o balanço, tudo pode ser divulgado. E o que dizer de empréstimos para obras no exterior? Não há explicação plausível até o momento para se esconder as informações do que é feito do dinheiro do contribuinte até dos órgãos fiscalizadores.

    A relação com o Congresso é um tormento diário e uma sucessão de surpresas. A cada dia pode surgir uma novidade que provoque aumento de gastos. Há duas semanas ocorreu a queda do fator previdenciário, com a inclusão de uma nova fórmula de aposentadoria sem qualquer cálculo, antes, que informasse quanto isso custará a curto prazo e no futuro. Na semana passada, uma comissão aprovou aumento de salários para servidores do Judiciário, que o governo disse que custará R$ 25 bilhões, e avançou também um projeto para a Câmara construir um prédio que pode ser até comercial.

    O governo decidiu fazer um ajuste que corta investimentos e aumenta impostos. Duas más soluções para o problema. O argumento da equipe econômica é que é muito difícil cortar em outros gastos que não o investimento. Durante a semana, governadores foram a Brasília para uma reunião com os presidentes da Câmara e do Senado sobre pacto federativo. Normalmente, esse seria o papel da presidente da República. Na omissão, agiram os presidentes das duas Casas que andam em conflito com o Executivo. Os governadores se queixaram de que só são propostos aumentos de impostos cuja arrecadação é toda do governo federal e que isso é o antipacto federativo.

    Na semana passada, senadores da base governista, até petistas, se rebelaram contra a política econômica. Argumentaram que não foi isso que foi dito na campanha e pediram a demissão do ministro da Fazenda. O ex-presidente Lula foi a Brasília para se reunir com a presidente e passar de novo a impressão de que a tutela. A sensação ainda é de um governo sem rumo, no final do quinto mês do segundo mandato. 

    *Jornalista

    maio24

    A Princesa Dara e o Rei Valente

    Por *Cláudia Santa Rosa

    Há milhares de anos, do outro lado do planeta, no Reino dos Sonhos, viveu a princesa Dara. De olhos escuros e puxados nos cantos, boca carnuda e sorriso marcante, de tão clara a sua pele destacava os cabelos escuros, longos e lisos. O porte era de uma rainha, mas ela jamais deixou de ser princesa.

    Dara era uma princesa pobre. Não nasceu em berço de ouro. Os pais nunca possuíram mais do que uma folha de obrigações. Abriu-se para a vida num bairro simples de uma pequenina cidade oriental. Cresceu sem luxos e aprendendo a amar o pouco que tinha, o bom, o belo, o justo, a verdade, o respeito, o conhecimento, a força do seu trabalho, o cultivo de flores.

    Dara não era rainha, mas, desde cedo, compreendeu pelo menos três coisas: a palavra empenhada vale mais do que fardos de papéis escritos; todo trabalho é digno e que não se deve machucar as outras pessoas, pelo menos quando for possível evitar.

    Em seu mundo fantástico, Dara projetava-se para frente e vivia a construir lindos castelos. Sem súditos, nem exércitos, enfrentou batalhas das mais sangrentas, encontrou o seu príncipe dos sonhos, amou, foi amada, casou, teve muitos filhos, foi feliz, muito feliz, eternamente feliz.

    Mas, enquanto isso, distante do Reino dos Sonhos, num ambiente de realidade, Dara foi surpreendida pelo Rei Valente:

    – Boa noite, princesa linda! Eu sou o Rei Valente.
    – Boa noite, Rei Valente! Eu sou Dara.
    – Eu sei! Faz milhares de anos que eu a admiro. Você é brilhante! Podemos conversar?
    – Claro que sim! Respondeu Dara, sem se dar conta das verdadeiras intenções do Rei conquistador.

    De tão determinado a conquistá-la, o Rei Valente conseguiu a princesinha meio imatura, sem fazer tantos esforços. Era um homem alto, forte, de pele clara, olhos azuis, cabelos longos, um colecionador atraente. Ainda chegaram a ser felizes, é verdade! Dara apaixonou-se, perdidamente, e se fez dependente e submissa tanto quanto era o Rei da sua coroa, símbolo do poder de um reino do qual também era sultão.

    Foi uma paixão arrebatadora, mas passado um curto tempo, talvez para ele tenha sido uma eternidade, Dara continuava com o seu amor tão vivo quanto no começo. O Rei não demonstrava mais a menor empolgação, até pelo fato do seu salão real viver sempre lotado. Destinava contado tempo para Dara o amar. Ela amava pelos dois e de tão visível, sabia que o fim era próximo.

    Como se não bastasse, a Princesa Dara também sofria com as atitudes pouco elegantes do Rei Valente, no trato com as mulheres do palácio real. Sem a menor preocupação de magoar Dara, a mulher que o amava, ele ofertava elogios aos corpos seminus que se exibiam sem pudor à sua frente. Por mais que prometesse que o próximo ato seria diferente, quando estava livre nos salões do seu palácio, o Rei não cumpria.

    Do alto do poder que era detentor, o Rei Valente sempre estava correto. Ele era incapaz de voltar atrás e corrigir um ato, jamais desfazia, mesmo que fosse para agradar a princesa, afinal, os desejos do Rei estavam em primeiro, segundo e terceiro lugar. Ele tratava Dara de um jeito grosseiro:

    – Nenhuma mulher jamais fez as exigências que você faz.

    Em outras palavras, ele dizia:

    – Se princesa não é rainha, a você o mesmo lugar das outras, de súdita.

    Dara viveu somente pouco mais de quatro décadas, uma eternidade nos tempos que o calendário contava para trás. Morreu sem sentir o gosto de ser rainha, aquela do seu Reino dos Sonhos, mas saiu de cena, sabendo o que é amar.

    *Professora, especialista em Psicopedagogia, Mestre e Doutora em Educação. Diretora Executiva do Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE) e Coordenadora do “Esquina do Conhecimento, projeto pedagógico da Escola Estadual Manoel Dantas. É articulista de temas relativos à Educação e no ano de 2014 passou a publicar, também, minicontos de amor, crônicas e poemas que são tentativas de incursão pelo universo do texto literário. (educadora@claudiasantarosa.com)


publicidade