Natal(RN), Sábado, 18 de Abril de 2015

    abril8

    Carro despenca do Mirante de Tabatinga, no litoral sul do RN, e mata homem

    O jovem que morreu em um acidente de carro no mirante de Tabatinga, no litoral Sul do Rio Grande do Norte, foi identificado como Mychael Rocha de Medeiros, de 29 anos. Ele era casado e morava em Natal.

    De acordo com o Corpo de Bombeiros, o carro caiu do mirante da praia de Tabatinga na noite de ontem (7), mas a polícia só foi acionada na manhã desta quarta (8). As circunstâncias do acidente serão investigadas pela delegacia de Nísia Floresta.

    O corpo da vítima ficou preso às ferragens e foi retirado pelo Corpo de Bombeiros na manhã desta quarta. O carro é uma EcoSport com placas de Natal. Ainda não se sabe as causas do acidente.

    Mirante de Tabatinga

    A praia de Tabatinga fica no município de Nísia Floresta, na região metropolitana de Natal, a 30 quilômetros da capital. O mirante fica a uma altura de 50 metros acima da praia e é um ponto turístico de grande visitação no litoral Sul. Muitos turistas utilizam a área mais alta para observar os golfinhos no mar. (G1)

    publicidade
    DNA Center

    abril8

    Operação da Deicor desmonta organização de agiotagem, envolvendo brasileiros e estrangeiros

    Uma operação da Polícia Civil, através da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime, prendeu, até o momento,  15 pessoas, sendo 10 colombianos, quatro brasileiros e um equatoriano, que são acusados de atuarem no ramo de agiotagem, no Rio Grande do Norte.

    A operação, batizada como "Colômbia", foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (8), em Natal e na região metropolitana.

    Fonte da Polícia adiantou que faz parte da organização criminosa um número expressivo de colombianos, que seriam os líderes do grupo e financiadores do esquema de empréstimo ilegal e que as investigações que resultaram na operação se iniciaram há cerca de seis meses.

    Foram apreendidos R$ 74 mil em dinheiro, oito motocicletas, um carro e nootbooks. Segundo a Polícia Civil, os suspeitos emprestavam dinheiro cobrando juros altos. Os alvos eram preferencialmente pequenos comerciantes.

    Ainda de acordo com a Polícia Civil, uma das vítimas do grupo teria se suicidado após ser pressionado pelo grupo. A ação descrita pela Deicor era que após o vencimento do prazo de pagamento do empréstimo, o grupo cobraria juros diários em cima do valor inicial. Em caso de não pagamento, eles enviavam pessoas para subtrair bens dos comerciantes como forma de pagar a dívida.

    publicidade
    escola_escritorio

    abril8

    Presos de Parelhas usam bilhetes para ameaçar a população e cobram transferência

    Os detentos que estão custodiados na cadeia pública de Parelhas estão ameaçando a população da cidade. Utilizando bilhetes, os detentos afirmam que querem a transferência para Natal e, caso não sejam atendidos, farão pressão da maneira deles. Até esta quarta-feira (8), no entanto, a situação na unidade era considerada tranquila.

    Em uma revista realizada na tarde de ontem, os agentes penitenciários recolheram três celulares e três carregadores que estavam em poder dos detentos. Atualmente, a unidade conta com 89 presos que foram transferidos do CDP da Ribeira após a onda de destruição nas unidades prisionais do estado.

    Ainda durante a revista, os agentes encontraram dois bilhetes em que os presos pedem ajuda à população para a transferência, dando a entender que podem fazer uma rebelião na unidade. "Se não alterar em nada, nós vamos resolver da nossa forma", diz um dos bilhetes.

    Segundo a presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Rio Grande do Norte, Vilma Batista, os presos jogam os bilhetes para fora da unidade usando pequenas pedras. O objetivo é que a população os encontre e espalhe o medo na cidade.

    "Eles estão querendo aproveitar essa situação de instabilidade para fazer confusão. Com a nova coordenação do sistema prisional, estamos aguardando ações mais enérgicas para impedir novos problemas. Não há como eles voltarem para o CDP porque lá está destruído, e foram eles mesmos que destruíram", disse Vilma Batista. (TN Oline)

    publicidade
    Pet Stop

    abril8

    Tenente Styvenson Valentim permanece na operação Lei Seca

    Depois de anunciar, na tarde de segunda-feira (6), a sua saída da equipe que trabalha na Operação da Lei Seca, o tenente Styvenson Valentim, da Polícia Militar, se reuniu com o governo ontem (7) e reconsiderou a decisão que havia tomado.

    A permanência de Styvensson foi confirmada pela assessoria de comunicação do Executivo Estadual, durante a noite.

    O oficial esteve à frente da operação Lei Seca em 2014 e ficou conhecido pelo rigor das blitzen, mas alegava ausência de condições para manter o que foi feito no ano de 2014 devido a escassez de recursos e motivação.

    Na nota divulgada, Styvenson afirmou que nunca desejou estar acima da instituição ou se promover, e que sofreu muito com as perseguições à sua privacidade e com as ameaças recebidas. O PM também afirma que sua "postura profissional, transparente, íntegra, franca e honesta, reacendeu em algumas pessoas a esperança de que se pode ter um serviço público de qualidade".

    Resumindo: o Tenente fica.

    publicidade
    Agronorte

    abril6

    Identificados os foragidos da penitenciária de Alcaçuz

    A Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania do Rio Grande do Norte divulgou os nomes e fotos dos 29 presos que continuam foragidos da Penitenciária Estadual de Alcaçuz.  A fuga ocorreu na madrugada desta segunda-feira (6) e, até  momento, apenas três foram recapturados, ainda pela manhã.

    A fuga desta madrugada foi a segunda maior de toda a história do sistema prisional potiguar. A maior foi registrada em janeiro de 2012, quando 41 detentos conseguiram escapar do presídio Rogério Coutinho Madruga, o chamado Pavilhão 5 de Alcaçuz. Desta vez, os presos abriram um túnel no Pavilhão 2, vulnerável depois das rebeliões do mês de março e das reformas ainda em andamento.

    Confira a lista dos foragidos:

    Adailton Keber Barbosa de Lima
    Adriano da Conceição
    Allef Marrone da Silva Coringa
    Alyson da Cruz Andrade
    Alysson Breno da Silva Tindô
    Anderson John de Souza Silva
    Daniel do Nascimento Lima
    Denis Rodrigues da Silva
    Ewerton da Silva Barbosa
    Fabio Pereira dos Santos
    Francisco Roberio de Lima Silva
    Francisco Thiago da Silva
    Fransueldes Dantas dos Santos
    Ivanildo Domingos da Silva
    Janailson Dionisio da Silva
    Joeudice Cirilo Pereira
    José Alan do Nascimento
    José Rafael da Silva
    Josiel Honorato de Carvalho
    Luan Franklin Anselmo da Silva
    Paulo Roberto Alves de Pontes
    Rafael Vieira Dantas
    Rivanildo Pereira Medeiros
    Robson Alves Rodrigues
    Rodrigo Costa Sena
    Rodrigo Felipe Macedo Rego
    Sandro Afonso de Souza Tavares
    Tiago Batista Coelho
    Wellington Santos Cruz

    publicidade
    Marcelo Abdon

    abril6

    Tenente Styvenson Valentim não faz mais parte da blitz da Lei Seca no RN

    A população de Natal já estava acostumada. Quem bebesse e depois fosse dirigir, tinha uma grande chance de ser parado na Blitz da Lei Seca comandante pelo tenente Styvenson Valentim, que ficou nacionalmente conhecido pela “rigidez” durante as operações. Entretanto, depois de pedir, por diversas vezes, mais investimentos e valorização para os profissionais que participavam das abordagens, Styvenson se disse “desgastado” e optou por deixar o comando das ações. Agora, ele tem palestrado para jovens no interior do Rio Grande do Norte.

    A informação da saída do comando da blitz da Lei Seca foi confirmada pelo próprio Styvenson em entrevista para o Jornal de Hoje na manhã desta segunda-feira (6). “A situação é a seguinte: não adianta reclamar, pois nada vai mudar. Agora eu me dedico a palestras para educar os jovens, que mais para frente também irão se tornar motoristas. Falo com eles para que eles não virem essas pessoas sem educação que dirigem por aí”. Questionado sobre o que quis dizer com “não adianta reclamar”, Styvenson destacou que já tinha se cansado de pedir investimentos para melhorar o resultado das operações.

    “Nós estávamos conseguindo um grande resultado, mesmo sem as condições ideais. Falei diversas vezes com os responsáveis para conseguir melhorar. E não é só questão de efetivo não, nem mesmo de equipamentos. Vai muito mais além disso”. Apesar de todos os problemas, o motivo que mais deixou o tenente chateado foi a não reposição das vagas deixadas por policiais que pediram para deixar a operação. “Nos últimos meses perdemos seis policiais que pediram para deixar a operação, pois não eram valorizados. Trabalhavam muito e não tinham retorno disso, não recebiam nada de extra. Quando fui falar, os responsáveis me questionaram, falando que eu não tinha pedido ninguém. Eu tenho que pedir? Eles viram que profissionais deixaram a operação e eu ainda tenho que ficar pedindo? Eu ainda fiz uma lista, mas não repuseram ninguém. Aí fica difícil”.

    Com as negativas, o tenente conta que pensou bastante antes de pedir para deixar o comando da operação. “Muita gente falava tanto que eu só fazia reclamar, que eu fiz uma autoavaliação. Mas eu não fazia só reclamar, eu estava me dedicando para conseguir trazer melhores resultados. Eu sabia que os resultados só poderiam melhorar com investimentos. Como eu não consegui esses investimentos, eu decidi deixar o comando. Como falei, não adiantava mais reclamar, pois nada iria mudar. Eu realmente não entendo o que as pessoas querem. Eu pensava que estava fazendo algo bom, mas ainda assim reclamavam”.

    Em uma entrevista para o JH, Styvenson já tinha deixado clara a insatisfação que estava sentindo por ter conseguir mais investimentos para a operação da Lei Seca. Inclusive, ele chegou a dizer que queria voltar para as ruas, combater criminosos. “Na rua as pessoas realmente precisam de ajuda. Os motoristas também, mas é um povo muito mal educado. Quando vamos disciplinar, eles reclamam, xingam. Quando você prende um bandido, ele baixa a cabeça e ainda chama o policial de senhor. Uma pessoa marginalizada, uma pessoa com quem o Estado falhou é mais educada que esse pessoal de trânsito, com quem o Estado não falhou”, disse na época.

    É exatamente para evitar esse tipo de pessoa “mal educada” que o tenente agora decidiu palestrar. Ele conta que tem recebido diversos convites todas as semanas. “Foi algo que aconteceu naturalmente. Muitas igrejas e escolas públicas me chamam para palestrar. Mas é mais no interior mesmo, para pessoas mais humildes. Tem dia que eu tenho três palestras, fico o dia inteiro viajando”.

    Para finalizar, o tenente explicou que a Operação Lei Seca continua em Natal. “Quem está no comando é o tenente Isaac Leão (que já trabalhava com Styvenson na operação). O Isaac é uma pessoa muito competente e tem tudo para fazer um grande trabalho. Agora, é preciso investimento. O Isaac é um verdadeiro herói por continuar trabalhando nas atuais condições”. (Portal JH)

    abril6

    Mulher compra calçado da Arezzo com marca Via Uno escondida

    Um caso denunciado via Facebook está se espalhando rapidamente na rede social, já com mais de 38 mil curtidas e 56 mil compartilhamentos nos últimos dias.

    A recifense Cynthia Cabral postou indignada sobre o caso no último dia 1º, com direito a três fotos.

    Ela ganhou da sua mãe uma sandália na marca Arezzo, comprada no dia 20 de março. Depois de usar o calçado apenas duas vezes, a palmilha (onde está escrito "Arezzo") descolou.

    Para a surpresa de Cynthia, embaixo havia outra palmilha, da marca Via Uno.

    "Fiquei extremamente indignada e me senti mais do que lesada por se tratar de marcas com valores bem diferentes", escreveu.

    Ela voltou à loja no Shopping Recife onde a sandália foi comprada e denunciou tudo à gerente, que disse não entender do que se tratava.

    Agora ela tenta reaver o valor do objeto.

    "Não gosto de fazer tumulto desnecessário, mas como cidadã me sinto no direito de explanar para que as consumidoras desta marca fiquem bem cientes do tipo de produto que está sendo adquirido. E principalmente, os vários tipos de empresários que temos no mercado. Por favor compartilhem, para que chegue ao maior número possível de consumidores!", disse.

    A marca Arezzo, comentando postagens de outras pessoas totalmente chocadas com a situação, disse:

    "Já estamos em contato com a cliente para esclarecemos o ocorrido. O produto é Arezzo; o que ocorreu foi que durante a produção desse modelo, um componente – que é, originalmente, um recorte de couro liso, usado como camada extra de proteção entre a pregação do salto e a palmilha - continha a carimbação de outra marca, o que acabou gerando a relação equivocada. A Arezzo reafirma seu compromisso com a qualidade de seus produtos, bem como o respeito às demais empresas e marcas do setor calçadista, e está trabalhando para solucionar a questão. Obrigada." (Exame)

    abril6

    Fuga em Alcaçuz é segunda maior da história no Rio Grande do Norte

    Foto: Adriano Abreu

    Na madrugada desta segunda-feira (6), 32 presos fugiram da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, maior complexo penal do Rio Grande do Norte. A fuga é a segunda maior da história em uma unidade prisional do estado. Até o início da tarde de hoje, três presos já haviam sido recapturados e outros 29 seguiam foragidos. A polícia continua em diligências.

    De acordo com Dinorá Simas, diretora da unidade, os detentos recapturados já estão na unidade prisional e estão sendo ouvidos pelo delegado responsável pelo caso. "Eles serão ouvidos e depois levados de volta para as celas. Também vamos ouvi-los para entender como se concretizou a fuga", explicou ela.

    Ainda segundo a diretora, todos os presos que conseguiram fugir são do pavilhão 2 da unidade. "Fugiram 32, de um total de 196 que estavam no pavilhão 2. Três foram recapturados e a PM está em diligência na busca pelos outros 29 detentos", disse.

    O policiamento em Alcaçuz foi reforçado por homens do Batalhão de Choque da PM (BPChoque) e da Força Nacional, além de agentes penitenciários.

    Segundo a direção da unidade, os detentos da maior unidade prisional do estado usaram um túnel escavado no pavilhão 2 do presídio. Após as rebeliões que destruíram as unidades, os detentos passaram a dormir no pátio do presídio porque as grades das celas foram destruídas.

    História

    A fuga desta madrugada foi a segunda maior de toda a história do sistema prisional potiguar. A maior foi registrada em janeiro de 2012, quando 41 detentos conseguiram escapar do presídio Rogério Coutinho Madruga, o chamado Pavilhão 5 de Alcaçuz.

    Antes da fuga desta segunda-feira, a segunda maior registrada era do ano 2000, em Alcaçuz, quando o bando do assaltante Valdetário Carneiro invadiu e libertou 28 detentos. (Tribuna Online)

    março29

    Confronto entre policiais e bandidos deixa 7 mortos em Currais Novos (RN)

    Na madrugada de hoje, na cidade de Currais Novos, uma operação da secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Norte, coordenada pela DEICOR e o BOPE resultou numa grande troca de tiros e 07 suspeitos mortos.

    O confronto aconteceu na entrada da cidade, em frente à empresa VVC Distribuidora. Com os bandidos foram encontradas armas de grosso calibre e uma grande quantidade de material explosivo usado para estourar caixas eletrônicos.

    A Polícia já vinha monitorando essa quadrilha, que é responsável por várias explosões em agências bancárias no Rio Grande do Norte e na Paraíba.

    março25

    Serviços de saúde vão coletar provas de violência sexual

    A coleta de provas de violência sexual poderá ser feita a partir de agora nos serviços públicos de saúde credenciados. Portaria interministerial assinada nesta quarta-feira, 25, permite que exames necessários para a comprovação da violência sejam realizados já no atendimento médico.

    Atualmente, isso é atribuição exclusiva de segurança pública. O objetivo da medida, de acordo com a ministra da Secretaria de Políticas para Mulheres, Eleonora Menecucci, é tornar mais humanizado o atendimento da vítima e, ao mesmo tempo, reduzir a impunidade. Os vestígios devem ser reunidos logo nas primeiras horas após a violência.

    Existem atualmente 402 serviços de atenção às pessoas em situação de violência sexual, dos quais 131 são 24 horas. A ideia é expandir a rede nos próximos meses.

    Depois da coleta, os vestígios deverão ser encaminhados para unidades especializadas em medicina legal.

    Com a mudança, profissionais da rede de saúde credenciada se encarregam de fazer o atendimento do paciente, a coleta de vestígios e encaminhá-los para autoridade policial, quando requisitados.

    A autoridade policial tem a incumbência de registrar e armazenar os dados, para que eles fiquem disponíveis nos sistema de segurança pública e de justiça.

    As provas somente são usadas caso a mulher queira registrar uma ocorrência contra o autor da violência. "A coleta de vestígios é essencial. Não existe crime sem a prova", observou a ministra.

    Ela lembrou que, quando atuava na casa de atendimento a vítimas de violência na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), havia dúvidas, por exemplo, sobre como e onde armazenar os vestígios do estupro.

    "Quantas mulheres o serviço perdeu, quantos casos ficaram sem solução por não haver uma resposta ágil para essas perguntas."

    Durante a cerimônia de assinatura da portaria, Eleonora afirmou ser imprescindível a implementação da Lei Maria da Penha e a implantação da rede de serviços de proteção para mulher.

    "Hoje há um gargalo para o atendimento", disse Eleonora.

    Atualmente, há uma Casa da Mulher Brasileira, em Campo Grande. Está prevista a construção de 27, seis delas neste ano.

    Eleonora afirmou que a integração entre as áreas de proteção da mulher, segurança e saúde é essencial. "A transversalidade é indispensável. E deve ser feita na ponta, no atendimento ao público", completou.

    O ministro da Saúde, Arthur Chioro, afirmou que a portaria pretende criar uma rede de proteção para mulheres. "Diminuir toda situação de medo que envolve situações de violência", disse.

    Foi assinada também uma portaria que institui um grupo de trabalho para criar estratégias para o cuidado da saúde da mulher com deficiência e mobilidade reduzida.

    "Não é mais um. Ele tem prazo, ele tem foco", assegurou Chioro.

    Dados do Sistema de Vigilância em Violência e Acidentes de 2013 mostram que foram registradas 200 mil situações de violência doméstica, das quais 136.785 contra mulheres.

    "Não acabaremos com a violência. Mas o governo tem o compromisso de que as vítimas possam ser protegidas e amparadas", completou Chioro. (Estadão)

    publicidade
    DNA Center

    março24

    Presos da Operação Lava Jato são transferidos para penitenciária

    Dez presos da Operação Lava Jato foram transferidos, na manhã de hoje (24), da Superintendência da Polícia Federal (PF), em Curitiba, para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na região metropolitana da capital paranaense. Eles saíram algemados em um ônibus, por volta das 8h10.

    O juiz federal Sérgio Moro atendeu a solicitação da PF, que alegou não ter condições de manter todos os presos nas várias fases da operação na carceragem de Curitiba. A polícia argumentou que não poderia garantir que os acusados seriam mantidos sem contato entre si, uma das medidas estabelecidas pela Justiça ao determinar as prisões.

    O ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Ceveró vai permanecer na PF, porque está fazendo tratamento psicológico. Mais seis presos permanecem no prédio da polícia. Dois detentos serão levados para a unidade penitenciária após prestar depoimento.

    De acordo com a Secretaria de Segurança do Paraná, o Complexo Médico-Penal é uma unidade destinada a presos provisórios ou condenados que precisam de atendimento psiquiátrico ou tratamento em ambulatório.

    Entre os presos levados para a penitenciária estão o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque e o empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano; Adir Assad e Mário Goes, acusados de ser operadores do esquema de desvios na Petrobras.

    A decisão do juiz Sérgio Moro atinge também executivos de empreiteiras Agenor Franklin Magalhães Medeiros, José Aldemário Pinheiro Filho, José Ricardo Nogueira Breghirolli e Mateus Coutinho de Sá Oliveira (OAS); Erton Medeiros Fonseca (Galvão Engenharia); Gerson de Mello Almada (Engevix); João Ricardo Auler (Camargo Corrêa) e Sérgio Cunha Mendes (Mendes Júnior).

    publicidade
    escola_escritorio

    março24

    Chance de prorrogação de mandatos é zero, diz Henrique

    O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB), criticou a Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (FEMURN), que defende a proposta de prorrogação de mandato para os atuais prefeitos. Henrique classificou a iniciativa de “infeliz”, já que há “chance zero” de aprovação. 

    “Isso (prorrogação) só ocorreu em regime de exceção. É anti-democrático prorrogar mandatos de quem se elegeu por tempo determinado”, disse Henrique.

    publicidade
    Pet Stop

    março16

    Secretário é exonerado, após rebeliões em presídios, e Kalina Leite responde por duas secretarias

    O advogado Zaidem Heronildes da Silva Filho foi exonerado da Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania (Sejuc) do Rio Grande do Norte após a onda de rebeliões que acontece nos presídios do estado desde a semana passada. A informação foi confirmada nesta segunda-feira (16) pela assessoria de comunicação da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed). Ainda de acordo com a assessoria de comunicação, a Sejuc será comandada interinamente pela delegada de Polícia Civil Kalina Leite Gonçalves, que já responde pela Sesed.

    A assessoria de comunicação ainda informou que Kalina Leite assume a Sejuc atendendo a um pedido pessoal do governador Robinson Faria (PSD). A exoneração de Zaidem Heronildes deve ser publicada no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (17). O advogado passou pouco mais de dois meses no cargo. Foi anunciado como secretário de Justiça e Cidadania em 5 de janeiro e tomou posse no dia 7 de janeiro.

    As rebeliões já atingiram cinco unidades prisionais do Rio Grande do Norte. Na quarta (11), quinta-feira (12) e sexta-feira (13) da semana passada, detentos se rebelaram na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta; no Presídio Provisório Professor Raimundo Nonato, na Zona Norte de Natal; Centro de Detenção Provisória (CDP) da Zona Norte, também na capital; e na Penitenciária Estadual de Parnamirim (PEP), na cidade da região metropolitana.

    Os motins continuaram nesta segunda em três unidades prisionais. Além da Penitenciária Estadual de Alcaçuz e Penitenciária Estadual de Parnamirim, desta vez o Complexo Prisional João Chaves também registrou um motim de presos. Todas as três rebeliões foram controladas no início da tarde, no entanto as grades e celas dos pavilhões foram destruídos. A Coordenação de Administração Penitenciária ainda não tem um balanço dos prejuízos.

    As informações das direções das unidades prisionais é que as ordens para os presos iniciarem os motins partiram da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, a maior unidade prisional do Rio Grande do Norte.

    MP investiga falta de vagas

    O Ministério Público do Rio Grande do Norte instaurou inquérito civil para investigar a falta de vagas nos presídios do estado. O inquérito vai apurar medidas usadas pelos órgãos públicos responsáveis pela gestão do sistema penitenciário estadual. Segundo o MP, não há unidades prisionais suficientes no estado.

    De acordo com o MP, a população carcerária no RN é de, aproximadamente, 7.650 pessoas e o Estado disponibiliza cerca de 4 mil vagas. Devido à recente série de rebeliões nos presídios, o órgão investigará as condições estruturais das unidades prisionais e a gestão do sistema penitenciário.

    A "grave ineficiência funcional dos agentes públicos responsáveis pela gestão deste sistema" é citada na publicação do Diário Oficial local como um dos principais motivos para a superpopulação carcerária. (G1 RN)

    publicidade
    Agronorte

    março16

    Ônibus são incendiados em Natal

    Foto: Edmo Nathan/celular

    Três ônibus foram incendiados entre a tarde e a noite de hoje. O primeiro atentado ocorreu por volta das 16h30, na Av. Santarém e o segundo atentado aconteceu no Golandim, ambos na zona Norte da cidade.

    O terceiro atentado foi na noite de hoje (16), por volta das 20h, quando três homens tomaram o ônibus da linha 39, da empresa Santa Maria, em frente ao Colégio Maria Auxiliadora, na movimentada Av. Hermes da Fonseca, no bairro Tirol. Um deles estava armado com um revólver calibre 38.

    Os homens ordenaram que o motorista, o cobrador e o único passageiro descessem e, em seguida, espalharam gasolina que estava em um botijão e atearam fogo no veículo.

    Segundo informações, os vândalos fugiram em direção ao bairro Mâe Luiza.

    Depois do ocorrido,o clima de insegurança se instalou e os motoristas dos ônibus coletivos da capital potiguar foram orientados a retornarem às garagens à medida que os passageiros forem descendo.

    publicidade
    Marcelo Abdon

    março14

    Freira idosa é estuprada em colégio religioso

    Uma freira na casa dos 70 anos foi estuprada nas primeiras horas deste sábado (13), quando um grupo de cerca de cinco intrusos invadiu um colégio religioso no leste da Índia, informou a polícia.

    O grupo praticou atos de vandalismo na escola e um dos invasores atacou a freira, disse o comandante da polícia local Abhijit Biswas, acrescentando que a vítima está hospitalizada e que nenhum suspeito foi preso.

    O ministro-chefe do Estado de Bengala Ocidental, Mamata Banerjee, onde a escola está localizada, condenou o incidente e afirmou que "ações imediatas e mais fortes" seriam tomadas.

    A morte de uma estudante após um estupro brutal em Nova Deli, em 2012, causou indignação nacional e elevou a pressão pública por uma Justiça mais rápida em um país onde o crime contra as mulheres é galopante, mas os procesos judiciais podem se arrastar por anos.

    Dias atrás, uma mobilização de algumas centenas de pessoas invadiu uma prisão de segurança máxima no nordeste da Índia, arrastou para fora um suspeito de estupro e o matou em público. (Reuters)

    março1

    Criminoso americano procurado por crimes sexuais é preso no RN


    Fotos: Daniel Costa/G1

    A Polícia Militar prendeu na noite de sexta-feira, dia 27, no litoral Sul do Rio Grande do Norte, o americano Victor Arden Barnard, 53 anos, líder de uma seita religiosa nos Estados Unidos e que responde a 59 acusações de abusos sexuais contra crianças e adolescentes, crimes que teriam ocorrido entre os anos de 2000 e 2012.

    A Polícia Federal confirmou as informações e revelou que Barnard era procurado pela Organização Internacional de Polícia Criminal, mundialmente conhecida como Interpol, e que ele também figurava na lista dos 15 mais procurados pela agência U.S. Marshal, organização policial americana responsável pela busca e captura de foragidos internacionais.

    "A agência U.S. Marshal oferecia uma recompensa de 25 mil dólares (o equivalente a aproximadamente 72 mil reais) para quem desse informações que levassem o acusado à prisão. Contudo, como a Polícia Militar cumpriu com sua obrigação constitucional, assim como a própria Polícia Federal, o dinheiro não será reclamado”, acrescentou o delegado Paulo Henrique Oliveira, superintendente em exercício da PF no Rio Grande do Norte.

    Ainda de acordo com o delegado, o americano entrou de forma legal no Brasil em 2012, só sendo considerado procurado internacionalmente a partir de abril de 2014, quando condenado.

    A prisão

    O tenente da Polícia Militar Daniel Costa participou da prisão. Ele revelou que o estrangeiro foi encontrado por volta das 21h em uma casa dentro de um condomínio na paradisíaca praia da Pipa, município de Tibau do Sul. Escrituras, documentos, agendas, computadores, pendrives, aparelhos e chips celulares foram apreendidos e levados para a sede da Polícia Federal, em Natal.

    “Uma brasileira de 33 anos, que já morou nos Estados Unidos, dava cobertura ao acusado. Ela assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por favorecimento pessoal e foi liberada. Já o americano, foi levado para a superintendência da PF. Havia um mandado de prisão contra ele, incluindo uma ordem de extradição já assinada pelo Supremo Tribunal Federal”, afirmou o oficial.

    Ainda segundo o tenente, as informações sobre a presença do americano na praia da Pipa foram repassadas pela Polícia Federal. "Depois disso, demos início a uma operação para prendê-lo. Contamos com o efetivo da PM de Tibau do Sul e da Pipa", acrescentou.

    Jesus na carne

    De acordo com a imprensa americana, Victor Barnard começou a ser investigado em 2012 no estado americano de Minessota, quando duas de suas seguidoras resolveram denunciá-lo. Uma delas alegou que vinha sofrendo abusos sexuais desde os 12 anos. Outra, desde os 13 anos, quando ela e a família se juntaram a uma igreja chamada River Road Fellowship. Autoridades disseram que a congregação é um desdobramento do The Way International, grupo que se autodenomina cristão.

    Em julho de 2000, Barnard criou um grupo de jovens meninas chamado de "Maidens" ou "Alamote", segundo a denúncia. O grupo, que tinha 50 membros, pregava que as meninas deveriam permanecer virgens e nunca se casar.

    Na época, ainda de acordo com a denúncia, Barnard pregava que ele próprio representava “Jesus na carne”, e que para ele era normal fazer sexo com suas seguidoras, uma vez que “Cristo tinha tido relações com Maria Madalena e outras mulheres que o seguiam, assim como o rei Salomão havia dormido com muitas concubinas”.

    Em 2011, o grupo liderado por Barnard se mudou de Minessota para o estado de Washington. Em novembro de 2012, após ser condenado, a polícia foi atrás de Barnard, mas ele não foi localizado. (G1 RN)


publicidade