Natal(RN), Quarta-Feira, 28 de Janeiro de 2015

    janeiro28

    Número de adolescentes assassinados entre 2013 e 2019 pode passar de 42 mil

    Cerca de três em cada mil adolescentes que tinham 12 anos em 2012 correm o risco de serem assassinados antes de completar 19 anos. Os dados foram divulgados hoje (28) pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o Laboratório de Favelas e o Laboratório de Análises de Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

    As informações se referem a cidades com menos 100 mil habitantes e apontam para mais de 42 mil homicídios de adolescentes de 12 anos a 18 anos entre 2013 e 2019. A pesquisa analisou dados de 2012 para compor o Índice de Homicídios na Adolescência (IHA), que estimou 3,32 mortes para cada mil habitantes nessa faixa etária. O indicador cresceu 17% em relação a 2011 e foi o maior registrado desde 2005.

    Entre 2005 e 2007, a taxa caiu de 2,75 para 2,56, voltando a subir no ano seguinte. Em 2009, o indicador chegou perto de 3, com 2,98 óbitos para mil adolescentes nessa faixa etária, mas voltou a cair em 2011, para 2,84. Em 2012, pela primeira vez, a taxa superou os 3 pontos.

    Ao comparar regiões do país, o índice aponta uma situação quase três vezes pior no Nordeste que no Sudeste – regiões que ocupam as duas pontas da taxa de homicídios. Enquanto o Nordeste tem a maior taxa – de 5,97 para cada mil, o Sudeste tem a menor – 2,25 para cada mil.

    De acordo com a pesquisa, 36,5% das mortes de adolescentes são causadas por homicídios, enquanto na população em geral o percentual é 4,8%.

    Para mudar essa realidade, a Secretaria de Direitos Humanos anunciou a criação de um Grupo de Trabalho Interministral que vai elaborar um Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Letal de Crianças e Adolescentes. O plano vai se inserir nas propostas do governo federal para assumir a responsabilidade pela segurança pública ao lado dos estados e municípios. (Agência Brasil)

    publicidade
    DNA Center

    janeiro27

    Dois anos depois, Justiça ainda apura tragédia na boate Kiss

    Há dois anos, na madrugada do dia 27 de janeiro de 2013, o incêndio na boate Kiss, em Santa Maria (RS), matou 242 pessoas e deixou outras 630 feridas. Até agora, contudo, ninguém foi condenado.

    Segundo a polícia, a tragédia foi causada pelo uso de um sinalizador durante a apresentação da banda Gurizada Fandangueira. Contribuíram para a tragédia o material empregado para isolamento acústico (espuma irregular) na boate, o fato do espaço ter uma saída única, falhas no extintor e exaustão de ar inadequada, além de indícios de superlotação.

    Quem são os culpados

    As responsabilidades civis sobre o incêndio são apuradas em seis processos que tramitam na justiça do Rio Grande do Sul.

    No principal, os sócios da Boate Kiss, Elissandro Callegaro Spohr e Mauro Londero Hoffmann, e os músicos da Banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Augusto Bonilha Leão, foram denunciados pelo Ministério Público por homicídio doloso qualificado (motivo torpe, meio cruel) e tentativa de homicídio de 636 feridos.

    Todos os quatro tiveram a prisão temporária decretada em no dia 31 de janeiro de 2013 e a preventiva dois meses depois. No dia 29 de maio do mesmo ano, no entanto, a prisão foi revogada e hoje os réus respondem em liberdade.

    O processo está encerrando a fase de depoimentos de testemunhas de defesa. Já foram ouvidos 114 sobreviventes, 16 testemunhas de acusação e 49 de defesa. Quem conduz o caso é o juiz Ulysses Fonseca Louzada,

    O magistrado vai ouvir ainda 24 peritos do Instituto Geral de Perícias que atuaram no caso. Depois, Louzada deverá decidir se haverá ou não reconstituição dos fatos. Só então os réus serão interrogados, que é o último ato da fase de instrução.

    Outros processos

    Há ainda uma Ação Coletiva requerida pela Defensoria Pública do Estado, que trata da indenização dos parentes das vítimas, e uma Ação Civil Pública (ACP) ajuizada pelo Ministério Público Estadual, que apura suspeita de improbidade administrativa contra quatro Oficiais do Corpo de Bombeiros de Santa Maria.

    Dois ex-comandantes e dois ex-chefes da seção de Prevenção a Incêndio do Comando Regional dos Bombeiros de Santa Maria, que exerceram funções de chefia entre os anos de 2008 e 2013, foram incluídos na ação. Segundo o MP, eles tinham poder de decisão para que se implantasse em Santa Maria o software Sistema Integrado de Gestão de Prevenção de Incêndios (SIGPI), mas “deturparam” o uso desse sistema.

    Além disso, o Ministério Público encaminhou, em dezembro de 2014, uma nova denúncia contra 43 pessoas por falsidade ideológica, fraude processual e falso testemunho no inquérito que investigou as responsabilidades civis pelo incêndio. Um inquérito policial que investigou a falsificação de assinaturas e outros documentos para permitir a abertura da boate junto à prefeitura serviu de base para essa denúncia. (Exame)

    publicidade
    escola_escritorio

    janeiro25

    Loja virtual Amazon é investigada no Japão por distribuir pornografia

    A polícia do Japão fez uma batida nesta sexta-feira nos escritórios da loja virtual Amazon, em Tóquio, devido a suspeita de que o site distribui produtos considerados como pornografia infantil, revelaram neste sábado fontes da investigação.

    A batida aconteceu por uma suposta violação da lei japonesa que proíbe a exibição pública de pornografia infantil, segundo a fonte citada pela agência local "Kyodo".

    A Amazon do Japão é suspeita de contribuir para a distribuição de material que contém pornografia infantil, como livros com fotos de crianças nuas, ao ter "permitido sua promoção em seu site de maneira consciente".

    A legislação no país asiático proíbe a venda de objetos roubados, produtos ilegais e de entretenimento para adultos, incluindo a pornografia infantil.

    A empresa não quis comentar sobre o assunto, mas um porta-voz disse à "Kyodo" que a Amazon vai colaborar com as investigações, de acordo com a lei, se for a vontade das autoridades.

    A polícia de Aichi, no centro do país, prendeu dois homens em setembro do ano passado depois que encontrou à venda no site da unidade japonesa da Amazon, livros com fotografias de crianças nuas.

    Outro centro de distribuição da companhia, em Kanagawa, também no centro do Japão, foi alvo de uma batida policial em novembro do ano passado pelo mesmo motivo. (EFE)

    publicidade
    Pet Stop

    janeiro4

    Detento faz calça com forro de colchão e tenta fugir de presídio, em Nísia Floresta

    Um detento do Presídio Rogério Coutinho Madruga, localizado em Nísia Floresta/RN, tentou fugir ontem (4) em meio às visitas que deixavam a unidade prisional. Todos os presos do local usam uniforme - uma bermuda azul e camiseta branca - e, para não ser percebido, Shakeaspeare Costa França, de 21 anos, vestia uma calça feita com o forro do colchão da cela. Os agentes penitenciários reconheceram o detento e evitaram a fuga.

    De acordo com o diretor da unidade prisional, Osvaldo Rossato, na saída dos familiares os agentes ficam em pontos estratégicos. "Um dos agentes avistou o detento na fila para sair do presídio e o reconheceu. Eles o abordaram e impediram a fuga", contou. Segundo ele, essa é a segunda vez que um preso costura uma calça com o forro do colchão para tentar fugir.

    Ele explicou que todos os detentos usam uniformes e que todo o material de hogiene e uso pessoal, como toalhas de banhos e lençóis, são brancos. "A medida agora vai ser tirar o forrro dos colchões. Nós não tirávamos porque fica menos confortável o colchão, mas diante de mais uma tentativa de fuga como essa vamos ter que tirar", disse Rossato.

    O detento que tentou fugir foi levado para o setor de medida disciplinar e vai responder a uma sindicância.

    publicidade
    Agronorte

    janeiro3

    Região metropolitana terá 300 policiais militares patrulhando as ruas


    Foto: Emanuel Amaral

    Novo comando geral da Polícia Militar do Rio Grande do Norte começou a efetuar mudanças no patrulhamento da Região Metropolitana de Natal. As medidas de segurança começaram pelos bairros do Alecrim e Cidade Alta que receberam diversos homens para fazer o Policiamento Preventivo Ostensivo (PPO). A partir de hoje, cerca de 300 policias estarão reforçando a segurança em toda a grande Natal.

    A secretária de Segurança Pública, delegada Kalina Leite, destaca a necessidade da volta de policiamento nas ruas, como uma das primeiras medidas a serem adotadas neste novo governo. O novo comandante geral da PM, Coronel Ângelo Mário de Azevedo Dantas, discutiu a medida ontem, em sua primeira reunião com os principais subcomandantes da corporação. A reunião aconteceu de portas fechadas, mas o comandante explicou que o objetivo foi planejar as ações da PM no novo governo. “Essa reunião foi para planejar uma dinamização do policiamento ordinário, policiamento que já existe. Estamos tentando se fazer presente em todos os pontos da Região Metropolitana de Natal (RMN) com policiamento motorizado e a pé”, explicou.

    Como primeira medida para garantir o policiamento preventivo ostensivo, o Coronel Ângelo explicou que serão colocados 300 policiais, pagos com diárias operacionais, para garantir a segurança nas principais ruas da Grande Natal. “Serão mais ou menos 300 policias diariamente fazendo esse policiamento preventivo em toda a RMN. Começamos com policiais cobrindo os principais pontos comerciais como Alecrim e Cidade Alta e alguns pontos de Tirol e Petrópolis que estavam há muito tempo sem policiamento”, destacou. O policiamento está sendo feito em pontos estratégicos dos bairros.

    A equipe da TRIBUNA DO NORTE percorreu esses bairros e encontrou a presença de policiais em vias movimentadas. Segundo o comandante geral nesse primeiro dia poucas duplas estavam nas ruas, pois foi feito um remanejamento de pessoal, mas a partir de hoje os policias estarão trabalhando com diárias operacionais que serão pagas através do orçamento.

    Os comerciantes do Alecrim ficaram surpresos com a presença de policias. A gerente de loja, Bia Macedo, elogiou a medida. “Na quarta-feira houve um tiroteio aqui em frente à loja e não havia nenhum policial na rua. Agora com esse patrulhamento espero que a segurança melhore. Estou achando maravilhoso, além de ser bom para o comércio. Espero que fiquem permanentemente”, disse a gerente.

    Na Cidade Alta, a medida também foi elogiada, mas pessoas como o ambulante Antônio Fernando, afirmam ser necessário ainda mais policiamento. “Todas as medidas para a segurança são positivas, mas precisamos de mais polícia na rua, principalmente, aqui no centro que sofre com a insegurança. Essa medida é positiva, mas espero que não seja apenas um dia”, disse o ambulante.

    Na próxima semana será realizada uma coletiva de imprensa para mostrar os principais pontos do planejamento operacional da PM para 2015. Também devem ser divulgados na próxima semana os nomes que irão compor a nova cúpula da corporação.

    Bate-papo - Kalina Leite
    Secretária Estadual de Segurança

    “A questão de recursos humanos é preocupante”

    Quais serão as primeiras medidas para segurança?
    É claro e apontado a deficiência de efetivo na rua. Essa é preocupação grande. A questão de recursos humanos é preocupante. Os policiais cedidos é algo que vamos trabalhar para retomar os policiais de volta a instituição. Essa é a primeira providência.

    Como será essa convocação dos policiais cedidos?
    Estamos conversando com outros poderes e sensibilizar a necessidade dos policiais nos seus locais de trabalho.

    O governador Robinson Faria tem anunciado a Ronda Cidadã. Como esse programa será implementado?
    Nós estamos trabalhando no projeto e em breve vamos colocar os policiais em sala de aula para recapacitar, eles fazerem o trabalho de quadrante de área e aproximação com a sociedade. Temos vários projetos e estamos estabelecendo prazo de prioridade. A prioridade agora é resgatar a confiança de segurança pública no Estado.

    A política da segurança será preventiva ou repressiva?
    Temos que ser fortes no combate, mas temos que respeitar os direitos humanos. Vamos fazer um trabalho de aproximação, conscientização, mas muito firme.

    Como será essa mudança no estatuto da polícia militar?
    É um pleito muito antigo, já vem sendo estudado há algum tempo, e acho que agora é oportunidade de ampliar o diálogo e fazer reflexão. Realmente, há muita coisa arcaica que precisa ser melhorada. Então a partir de agora vamos criar um grupo de trabalho para fazer uma avaliação de toda legislação não só da polícia militar, mas de toda segurança. (Tribuna do Norte)

    publicidade
    Marcelo Abdon

    janeiro3

    PRF afirma que cairam as mortes em rodovias federais no feriado prolongado do Ano-Novo

    Balanço divulgado ontem (2) pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) informa que, entre os dias 27 de dezembro, primeiro sábado após o Natal, e a quinta-feira (1º), feriado prolongado de Ano-Novo, houve 127 mortes, 1.592 pessoas ficaram feridas em 2.135 acidentes nas rodovias federais. Apesar de altos, os números apresentados pela PRF demonstram uma diminuição em alguns dos índices relativos a acidentes nas rodovias do país.

    O relatório da PRF aponta redução de 47% no índice de acidentes considerados graves (aqueles que resultam em, ao menos, um ferido grave ou um óbito), o que levou a uma redução de 26% na taxa de mortalidade e de 25% na taxa de feridos na comparação com o réveillon 2013/2014.

    Os números também são menores que os registrados no Natal, quando 183 pessoas morreram (30% mais que no Ano-Novo), 2.224 ficaram feridas (aumento de 34,47%) e foram registrados 3.258 acidentes (número 34,47% maior que no Ano-Novo).

    De acordo com a PRF, isso ocorre porque o movimento nas estradas no Natal é concentrado e uniforme, com fluxo intenso de veículos em todas as BRs, ao contrário do que ocorre na época das festas de réveillon, quando o volume de tráfego é direcionado para as regiões litorâneas.

    Segundo a PRF, 822 pessoas foram flagradas dirigindo após consumir bebida alcoólica e, a cada 53 testes, um condutor foi autuado ou preso e 135.649 pessoas foram fiscalizadas no período nas rodovias federais.

    janeiro2

    80% do tráfego da deep web é gerado por sites de pedofilia

    Mais de 80% do tráfego da deep web é gerado por visitas em sites de pedofilia, de acordo com um estudo sobre a rede Tor feito pela Universidade de Portsmouth, na Inglaterra.

    O pesquisador Gareth Owen analisou durante seis meses o tráfego de sites que utilizavam a tecnologia da rede Tor para esconderem seus endereços de IP.

    O objetivo era descobrir quais eram as páginas que geravam mais tráfego na deep web.

    De acordo com os resultados apresentados durante o Chaos Computer Congress, na Alemanha, Owen concluiu que apesar dos sites com material de pedofilia representarem apenas 2% das quase 45 mil páginas que usam a tecnologia da rede para se esconder, elas respondem por 83% do tráfego da rede Tor.

    Owen deixa claro que os usuários da rede Tor não passam 84% do tempo vistando sites de pedofilia.

    O estudo se restringiu aos sites que usavam a tecnologia da Tor para se esconder e não diz respeito aos habitos dos usuários que buscam o anonimato garantido pela rede.

    A pesquisa também descobriu que menos de um sexto dos sites que estavam online em março, quando a pesquisa começou, ainda estavam no ar em setembro, quando ela terminou, o que sugere que esses sites tem curto período de vida.

    Owen também afirmou que sites relacionados a venda de drogas, como a Silk Road e o Agora, respondem por 24% dos sites da Tor, mas geram apenas 5% do tráfego.

    Sites de vazamento de arquivos, como o SecureDrop e o Globaleaks, são 5% das páginas, mas geram menos de 0,1% das visitas.

    Em comunicado, a rede Tor questionou a validade da pesquisa, afirmando que os números podem incluir visitas feitas por polícias e grupos anti-abuso, além ataques de hackers que tentam derrubar essas páginas, por meio de ataques de negação de serviço.

    Roger Dingledine, diretor-executivo da Tor, ressaltou que sites que se escondem nos servidores da rede respondem apenas por 2% do tráfego total da tecnologia de anonimato disponibilizada.

    O próprio pesquisador chefe do estudo também afirmou que os resultados de sua pesquisa devem ser abordados com cautela.

    "Não sabemos as causas da contagem alta no tráfego e não podemos dizer com certeza que ele é gerado por humanos", afirmou Gareth Owen.

    Mesmo assim, o estudo levanta novas questões para a rede Tor sobre como ela poderia tirar do ar sites com conteúdo pedofílico e identificar seus proprietários. (Exame)

    janeiro1

    Blitz da Lei Seca apreende 42 CNHs no primeiro dia de 2015 em Natal

    A Polícia Militar e o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-RN) realizaram realizaram blitzen da Operação Lei Seca em várias regiões de Natal entre a noite desta quarta-feira (31) e a madrugada desta quinta (1º). Segundo o tenente Styvenson Valentim, 42 motoristas foram autuados administrativamente e tiveram as CNHs recolhidas. Ninguém foi preso.

    De acordo com o tenente Styvenson, os trabalhos da equipe começaram às 16h. "Sabíamos que tinha gente bebendo desde cedo, então decidimos dividir a equipe em duas para ampliar a fiscalização e dividimos o grupo em dois turnos. No primeiro, das 16h às 22h, foram 11 autuações por dirigir sob o efeito de álcool, com a barreira fixa na avenida Engenheiro Roberto Freire. Na segunda, decidimos fazer uma operação móvel, pois estava havendo festa em várias partes da cidade", explicou o coordenador da Lei Seca.

    Neste segundo momento da operação os números aumentaram. Ao todo, foram mais 31 autuações por embriaguez ao volante, que aconteceram em várias partes da capital potiguar. "Estava programado previamente que a blitz fosse toda em um local apenas, então decidimos fazê-la móvel, para cobrir regiões onde sabíamos que estaria havendo consumo de bebida alcoólica e concentração de motoristas. Fizemos na zona Sul, zona Oeste, Via Costeira, na praia do Meio, próximo ao local do show, além de algumas abordagens na praia de Pirangi, em Parnamirim", disse Styvenson.

    O tenente contou que o total de 42 autuações é um número considerado baixo para o uma noite de réveillon. "É pequeno porque estava havendo festa em várias partes de Natal. Para uma noite como essa, 42 autuações é pouco. Em alguns lugares os motoristas estavam abandonando os carros e voltando de ônibus ou táxi, tudo isso para fugir do bafômetro", afirmou ele.

    Ao todo, 14 homens participaram da operação. "É um número pequeno, principalmente se você pensar que havia festas em várias partes da cidade. Quando não era show, tinha as festas particulares, quando as pessoas se reúnem nas casas amigos. Mesmo com um número muito pequeno na equipe, tivemos de dividir o pessoal para poder cobrir mais áreas da cidade", explicou o tenente. (Tribuna On line)


publicidade